Edição do dia

Domingo, 16 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva moderada
28.9 ° C
30.9 °
28.9 °
94 %
5.7kmh
40 %
Dom
29 °
Seg
29 °
Ter
30 °
Qua
29 °
Qui
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeArquitecto considera que zonas húmidas de Macau têm muito potencial

      Arquitecto considera que zonas húmidas de Macau têm muito potencial

      Num evento organizado pela Câmara de Comércio França-Macau, Rui Leão considerou que há margem para tirar proveito da zona exclusiva marítima de Macau, nomeadamente apostando nas zonas húmidas existentes ou a serem criadas. O arquitecto lamenta que o novo Plano Director urbano não fale disso e que “é uma pena não existir uma estratégia”.

      Macau só terá a ganhar se prestar mais atenção ao meio ambiente, com particular enfoque na sua área marítima exclusiva e nas zonas húmidas do território, onde floresce um ecossistema importante para a cidade. A ideia foi transmitida por Rui Leão durante um evento organizado pela Câmara de Comércio França-Macau que teve lugar ontem de manhã no Sofitel, na península de Macau, subordinado ao tema “Como o Plano Director Urbano de Macau afectará as políticas?”.

      O arquitecto acredita que desenvolvendo as zonas húmidas do território, só teremos a ganhar com isso. “É muito importante desenvolver as zonas húmidas do território e, sinceramente, espero que isso seja revisto nos próximos anos. As aves e os animais deveriam fazer parte das nossas vidas, mas não estamos a fazer um bom trabalho nessa matéria”, apontou.

      E como desenvolver essas zonas húmidas? “Primeiro há que entender a hidrografia deste lugar e encontrar razoabilidade nas coisas. Para se trabalhar na água, temos de trabalhar com a água, senão não vale a pena. Tudo tem de ter uma ambição política, mas o que vejo é que, agora, quase não existe possibilidade de diálogo com o Governo”, lamentou Rui Leão.

      Durante a conversa no Sofitel, Rui Leão lamentou a não existência de uma estratégia para esta questão em particular, uma vez que “o novo plano não fala disso e é uma pena”. “As zonas húmidas de Macau são uma grande possibilidade. Penso que é preciso existir uma visão diferente para ser implementada nesses locais. As pessoas têm de ser educadas para a protecção ambiental e para questões de sustentabilidade.

      Partindo da Lei de Salvaguarda do Património e da Lei do Planeamento Urbanístico, Rui Leão, para além do tema ambiental, foi abordando questões de zonamento, habitação, mobilidade ou protecção patrimonial. O arquitecto deixou claro que “a forma como moldamos a cidade afectará não só o meio ambiente, como também o nosso bem-estar social, a nossa vitalidade económica, o nosso senso de comunidade e conexão”. “Um plano sem uma visão forte não ganhará impulso e o apoio de todos os actores sociais e económicos significativos”, enfatizou, lembrando que “há uma série de questões que irão influenciar o desenvolvimento futuro do plano director urbano de Macau”.

      Para o arquitecto, Macau vive “encapsulado” e isso não traz bom augúrio para ninguém. “Vivemos numa pequena bolha e não estamos capazes de ver a imagem como um todo. É a nossa opção. É algo que não depende de nós, enquanto individualidades. O Governo parece não ter habilidade para fazer as coisas acontecerem. Nada acontece em Macau. Estamos completamente encapsulados”, referiu.

      Rui Leão vai mais longe e aponta outras lacunas, nomeadamente em matéria de mobilidade. “Em relação aos transportes, o plano não propõe nada de especial”, admitindo que o documento fala de um sistema de fronteiras. “Acho que isso é importante pois é preciso optimizar a entrada e a saída das pessoas”.

      Contudo, na óptica do arquitecto, a protecção do património “é uma questão muito vaga neste novo plano urbanístico”. “A grande surpresa é a criação de zonas verdes e corredores visuais. Contudo, é preciso fazer mais. Penso que deve haver mais discussão sobre esta questão dos corredores visuais (…) Temos muitos maus exemplos na cidade. O edifício onde estamos agora [Sofitel Ponte 16] nunca deveria ter sido aprovado. Bloqueia, por completo, a vista da Almeida Ribeiro”, disse à plateia que o ouvia, acrescentando: “É preciso manter os edifícios antigos, conservando-os, e não os matar”.

      A densidade populacional também preocupa Rui Leão. O arquitecto sugere que as autoridades possam regulamentar mais a questão, porque, considera, “é algo muito crítico na zona Norte da península e em algumas zonas do centro histórico”.

      A verdade, admitiu o arquitecto português, é que Pequim deseja que Macau lidere, mas nós não lideramos nada porque não temos competitividade”, lamentou, uma vez mais.

      Contudo, nem tudo é mau no novo Plano Director urbano. A divisão urbana por zona, sublinhou Rui Leão, é importante pois faz com que não haja dúvidas para que serve determinado pedaço de terra. A possibilidade de uso misto terá impacto no uso das terras no futuro”, acrescenta.

      g