Edição do dia

Sábado, 20 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
trovoada com chuva
26.9 ° C
26.9 °
24.9 °
89 %
2.1kmh
40 %
Sáb
27 °
Dom
27 °
Seg
24 °
Ter
24 °
Qua
25 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeSSM alertam para escassez de órgãos para operações de transplante

      SSM alertam para escassez de órgãos para operações de transplante

      Embora tenham sido elaboradas já em 1996 as leis completares que prevêem regras para a doação, colheita e transplante de órgãos e tecidos de origem humana, as operações de transplante são raramente realizadas em Macau. Os Serviços de Saúde (SSM) apontam que a escassez de órgãos é um problema actual para o desenvolvimento da doação e transplantação orgânica.

      Dados estatísticos do organismo mostram que, até 20 de Setembro deste ano, o número total de registos de doação de órgãos em Macau é de 5.636 pessoas, 4.013 das quais já efectuaram as formalidades pessoalmente.

      Em resposta a uma interpelação escrita apresentada pela deputada Wong Kit Cheng, Alvis Lo assegurou que os SSM têm vindo a desenvolver uma série de trabalhos de divulgação de doação de órgãos, tendo criado um grupo de promoção e uma página electrónica específica, bem como a distribuição de informações promocionais de forma a incentivar a participação do maior número de cidadãos interessados em se tornarem dadores.

      “Com a atenuação da epidemia, os SSM planeiam reiniciar os trabalhos de divulgação e promoção de doação de órgãos, reforçar a divulgação junto de mais serviços públicos, instituições sociais, instituições de ensino superior e organizações não-governamentais, no sentido de chamar a atenção e o apoio da sociedade em relação à dádiva de órgãos”, salientou o director dos SSM.

      Recorde-se que a doação de órgãos tem registo disponível para inscrição online desde Setembro de 2018, cujo número de inscritos está a subir lentamente. Segundo o organismo, os órgãos e tecidos aceites incluem rins, fígado, coração, pulmões, pâncreas, córnea, ossos, pele, válvula cardíaca, vasos sanguíneos e intestino delgado.

      Os Serviços de Saúde realizaram pela primeira vez a operação de transplante renal vivo em Macau em 2016, e empenharam-se ao longo do tempo na procura de fornecedores e receptores compatíveis para o desenvolvimento contínuo da respectiva operação. “No entanto, até ao momento, não houve nenhum caso de compatibilidade”, frisou Alvis Lo, reiterando que “possuem experiência e capacidade de transplante de rins e irão continuar a organizar uma equipa médica de transplante de órgãos para receber formação profissional”.