Edição do dia

Quarta-feira, 5 de Outubro, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
29.9 ° C
31.9 °
29.9 °
79 %
6.7kmh
20 %
Qua
30 °
Qui
29 °
Sex
29 °
Sáb
28 °
Dom
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade Número de animais abatidos no primeiro semestre do ano já foi...

      Número de animais abatidos no primeiro semestre do ano já foi superior ao total do ano passado  

      Foram abatidos 119 cães e gatos no Canil Municipal nos primeiros seis meses deste ano, número que excedeu já o volume total registado no ano passado, sendo igualmente um recorde desde a pandemia. De acordo com os dados mais actualizados do Instituto para os Assuntos Municipais, 138 cães e gatos foram abatidos em Macau entre Janeiro e Agosto deste ano. Além disso, na última década, foram recebidos cerca de 9.200 animais através de captura ou entrega devido à impossibilidade de criação pelo proprietário, e quase três mil animais foram submetidos à eutanásia.

       

      O número de animais abatidos no Canil Municipal disparou este ano, tendo 138 animais sido alvo de abate até Agosto. As estatísticas oficiais indicam ainda que 119 cães e gatos foram abatidos no primeiro semestre do ano corrente, valor que já ultrapassou o número total do ano passado, altura em que foram abatidos 111 animais.

      De acordo com os dados estatísticos do Instituto para os Assuntos Municipais (IAM), os animais abatidos nos primeiros oito meses incluem 81 cães e 57 gatos. Ao comparar com os dados do período homólogo dos últimos anos, o abate de 138 animais representa o número mais elevado desde o surgimento da pandemia, uma vez que foram registados 85 animais abatidos nos primeiros oito meses de 2020 e 88 animais em 2021.

      É de salientar ainda que o volume de gatos abatidos este ano registou um aumento muito acentuado em relação aos últimos dois anos, face não só ao período homólogo como ao número registado ao longo do ano. O número total até ao momento de 57 gatos equivale a uma subida de 19 vezes em comparação com os três gatos abatidos no mesmo período do ano passado, e quase duas vezes mais relativamente ao ano anterior.

      Os dados do Canil Municipal mostram ainda que o número médio de cães e gatos abatidos por mês deste ano está fixado em 17 animais. O cômputo actual também já excedeu a média mensal contabilizada dos últimos anos, sendo o mais alto desde 2017, tendo em conta que a média varia entre 9 e 12 animais abatidos mensalmente entre 2017 e 2021.

      Além disso, entre os primeiros oito meses deste ano, um total de 424 animais foram capturados pelo IAM, incluindo 154 cães e 270 gatos. O número médio por mês não registou grande variação relativamente ao ano passado, altura em que 730 animais foram capturados ao longo do ano.

      Recorde-se que, nos últimos dez anos, o organismo já capturou quase 7.500 animais no território, cuja maioria não estavam registados com microchip, pelo que era difícil identificar os donos dos animais de estimação e o endereço do local de criação dos mesmos. Além disso, sem microchip, as autoridades raramente conseguem distinguir os animais capturados, se são vadios, perdidos ou abandonados.

      O abandono de animais em Macau pode levar à violação da Lei de Protecção dos Animais, o que pode resultar numa multa de 20 mil patacas. No entanto, quando o animal de estimação abandonado não está registado com microchip, é provável que o proprietário consiga evitar facilmente esta penalidade.

      De Janeiro a Agosto deste ano, Macau registou sete casos de infracções do artigo 5 da Lei de Protecção dos Animais por abandono do animal, sendo o número mais elevado desde 2019, tendo sido detectados quatro casos no ano passado, dois no ano anterior e um caso em 2019. O IAM recebeu nos últimos dez anos cerca de 1.700 animais que foram entregues às autoridades por impossibilidade de criação pelo proprietário do animal.

      Nesse sentido, entre um total de 9.200 animais que entraram no Canil Municipal desde 2012, houve aproximadamente três mil cães e gatos que foram abatidos. Por outras palavras, na última década, entre cada três cães e gatos recebidos por parte do Canil Municipal, um animal acabou por ser abatido.

      O número anual de abates registou uma diminuição significativa desde 2016, cujos volumes se mantiveram dentro de 200 animais. A redução deve-se provavelmente ao aumento da consciência das pessoas devido à protecção animal, com a entrada em vigor da Lei de protecção dos animais e, por outro lado, graças ao aumento da adopção dos animais de estimação. Nesse sentido, apesar de o número de animais capturados se ter mantido elevado, existem mais cães e gatos que conseguiram ser adoptados e entrar em novas famílias, evitando assim a eutanásia.

      Foram adoptados 82 cães e 206 gatos entre Janeiro e Agosto deste ano. O número de gatos adoptados contabilizou uma redução de 20% face ao mesmo período do ano passado, enquanto o de cães mostra uma quebra de 49% em termos anuais. A situação dos cães foi particularmente afectada há três meses, com três casos de adopção em Junho e apenas um em Julho, quando foi detectado um novo surto da Covid-19 na comunidade e a maioria das actividades na sociedade ficou suspensa. O número baixo de adopção para os cães no Canil Municipal não tem precedentes desde Novembro de 2013.

       

      ANIMAIS POR ADOPTAR

       

      Os animais vadios, após serem capturados pelo IAM e transferidos para o Canil Municipal, e após consulta veterinária, vão estar disponíveis para, na maioria dos casos, serem adoptados pelo público. Contudo, os que não forem adoptados por um determinado período, ou por razões humanitárias, doença ou impossibilidade de sobrevivência natural de acordo com avaliação do médico veterinário, vão ser submetidos à eutanásia.

      Em vez do programa de “captura, esterilização e devolução dos animais errantes” (TNR, na sigla em inglês), que muitas associações de animais têm proposto a sua reactivação depois da sua suspensão repentina em 2015, o IAM assinalou que Macau está a implementar o modelo de “captura, esterilização e adopção aberta” (TNA), de forma a “reduzir o número e a propagação dos animais vadios, procurando famílias ideais para esses animais vadios com condições para serem adoptados, a fim de se poder atingir o objectivo de solucionar o problema desde a raiz”, frisou o IAM.

      Segundo a página do IAM, existem actualmente 45 e 32 cães para adopção, respectivamente, no Canil Municipal de Macau e Coloane, e 17 gatos estão à espera de uma nova família.

      O IAM tem cooperado com associações voluntárias de protecção de animais para promover a adopção dos animais, em vez da compra. No próximo sábado, o Canil Municipal vai organizar, em cooperação com a associação Everyone Stray Dogs Macau Volunteer Group, uma palestra de compartilha de informações sobre a adopção de animais. Mais de 50 cães e gatos estão disponíveis para ser adoptados. A iniciativa vai ser realizada na sede do Canil Municipal, em duas sessões, uma das 10h00 às 11h15 e outra das 11h45 às 13h00.