Edição do dia

Sexta-feira, 12 de Agosto, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
26.9 ° C
27.1 °
25.9 °
89 %
2.6kmh
20 %
Sex
28 °
Sáb
30 °
Dom
30 °
Seg
30 °
Ter
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade Aborto “é um assassinato de uma pessoa indefesa”, defende padre de Macau

      Aborto “é um assassinato de uma pessoa indefesa”, defende padre de Macau

      Numa altura em que o aborto volta a estar nas bocas do mundo, por culpa da decisão do Supremo Tribunal dos Estados Unidos que revogou a decisão histórica de 1973, denominada de “Roe vs. Wade”, que consagrava o direito da mulher ao aborto, o PONTO FINAL conversou com um padre católico radicado no território. Daniel Ribeiro defende que caso a mãe não queira ou não tenha condição de ter um filho, “ela tem todo o direito de depois doar a criança para uma instituição”, até porque, considera, “existem muitos pais que querem adoptar”.

       

      O aborto voltou a estar nas paragonas mundiais. O Supremo Tribunal dos Estados Unidos revogou a decisão histórica de 1973, denominada de “Roe vs. Wade”, que consagrava o direito da mulher ao aborto. Efeito imediato: dez estados norte-americanos — Alabama, Arkansas, Kentucky, Louisiana, Missouri, Ohio, Oklahoma, Dacota do Sul, Utah e Wisconsin — revelaram o seu conservadorismo e já colocaram um fim a direito.

      Em Macau, os Serviços de Saúde têm vindo a sustentar que “não existem planos” para a alteração do regime jurídico de interrupção voluntária da gravidez, datado de 2004, no caminho de uma total despenalização do aborto. O assunto tem sido tabu e o território, nesta matéria, não segue a bitola da mãe-pátria onde o aborto é legal, acessível a muitas mulheres

      Várias personalidades, quando instadas a comentar a questão, acabam por ser parcas em palavras e admitem que seja difícil ir contra as posições da Igreja Católica, que em Macau tem alguma influência e relevância.

      O PONTO FINAL conversou com o padre católico Daniel Ribeiro, que recordou um caso recente no Brasil que tem vindo a acompanhar de perto. “Estou a par de uma situação que ocorreu no Brasil com uma criança de 11 anos que terá engravidado de um adolescente de 13 anos e ela estava grávida de um bebé de sete meses. Aí aconteceu um aborto com a autorização da Justiça”, começou por dizer.

      Daniel Ribeiro sustenta a sua opinião totalmente naquilo que a Santa Sé defende nesta matéria. “A igreja acredita que a vida humana deve ser respeitada desde a sua concepção até à sua morte natural. A vida humana começa quando o espermatozoide fecunda o óvulo. Pode até haver uma dúvida científica quando começa a vida humana, mas se existe uma dúvida humana não se pode matar um feto”, referiu o presbítero.

      O padre brasileiro, radicado em Macau há diversos anos, considera que o direito da mãe “deve ser respeitado”, porque a mãe “é um ser humano que deve ser respeitado em toda a sua integridade”. “Mas quando se envolve mais de uma vida, as duas vidas devem ser respeitadas”, constatou

      E vai mais longe. Daniel Ribeiro defende que o aborto “é um assassinato de uma pessoa indefesa”, sugerindo soluções em seguida. “Caso a mãe não queira ou não tenha condição de ter um filho, ela tem todo o direito de depois doar a criança para uma instituição. Existem muito pais que querem adoptar.”

      O brasileiro reitera ao nosso jornal que o ponto principal de toda esta discussão “é que existe ali um ser humano”. “Se existe um ser humano, tem todos os direitos, mesmo que ele não esteja totalmente e plenamente desenvolvido, tal e qual observamos uma pessoa já maior. A questão é saber-se como é que trata uma vida que já existe. Se existe uma vida já dentro da barriga da mãe, aquela vida há de ter que sair por duas formas: através de uma cesariana ou de um parto natural, ou através de um acto abortivo onde o feto já existente será violentamente assassinado”, apontou, sublinhando uma vez mais que a Igreja Católica “defende a vida” e “a primeira forma é a melhor, a maia correcta e a mais justa”.

      A diocese de Macau tem vindo a promover uma agenda pró-vida. Já este ano, após a eleição dos novos membros da Comissão Diocesana para a Vida, para o triénio 2022-2025, em Junho, o padre Michael Cheung referiu que “numa perspectiva geral, a maior parte das religiões são pró-vida”. “Embora as leis de Macau protejam a dignidade humana melhor do que em outras cidades ou regiões, o mesmo não acontece com os gestos e as práticas dos cidadãos. Há muitas coisas que sucedem e sobre as quais não temos conhecimento, não são noticiadas ou, pura e simplesmente, são feitas às escondidas. Ainda necessitamos de reforçar a compreensão das pessoas e de mobilizar o seu apoio para que a legislação seja mantida”, defendeu, ainda, em declarações ao semanário católico O Clarim.

      Um mês antes, o Bispo de Macau, Stephen Lee, havia considerado, durante a antestreia do filme pró-vida “Unplanned”, que é preciso “falar toda a verdade” sobre o procedimento do aborto. “O filme não pretende divulgar como a Igreja Católica encara o aborto, nem promover qualquer outra coisa. Trata-se de dizer a verdade, especialmente a verdade sobre o procedimento do aborto. Além disso, sou totalmente contra a violência. No mundo de hoje, muitas pessoas concordam que a vida não deve ser destruída, mas o maior problema é que as pessoas não pensam que um embrião é uma vida. Para elas, um feto não tem vida”.

       

      PONTO FINAL