Edição do dia

Quinta-feira, 30 de Junho, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
aguaceiros fracos
26.9 ° C
31 °
26.9 °
94 %
5.1kmh
40 %
Qui
28 °
Sex
29 °
Sáb
28 °
Dom
29 °
Seg
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Desporto Estrela da NBA junta-se à Superliga da Ásia Oriental para elevar o...

      Estrela da NBA junta-se à Superliga da Ásia Oriental para elevar o jogo de basquete na Ásia

      O jogador Jalen Green, dos Houston Rockets, será o novo embaixador da principal liga de basquete da Ásia. Com raízes nas Filipinas, o armador de 20 anos foi segunda escolha do ‘draft’ da NBA de 2021 e, recentemente, eleito no melhor cinco base dos rookies da NBA. Junta-se a Baron Davis, Metta World Peace e Shane Battier no rol de estrelas que apoiam a competição que estreou em Macau em 2017.

       

      A Superliga da Ásia Oriental (EASL, na sigla inglesa), que estreou em Macau em 2017, anunciou ontem uma parceria com Jalen Green, armador dos Houston Rockets, equipa da NBA. O anúncio surge meses antes da temporada inaugural da liga, marcada para Outubro.

      Jalen Green fez história enquanto jogador asiático-americano escolhido no ‘draft’ em segundo lugar pela equipa de Texas, nos Estado Unidos da América, tornando-se no terceiro atleta de ascendência filipina a chegar à maior liga de basquetebol do mundo, depois de Jordan Clarkson e Raymond Townsend.

      O armador de 20 anos junta-se a Baron Davis, Metta World Peace e Shane Battier como o mais novo embaixador da principal liga de basquetebol da Ásia e não esconde a satisfação. “Estou muito animado por fazer parceria com a East Asia Super League e ligar-me a mais fãs nas Filipinas e em toda a Ásia. Quero ser uma inspiração para a próxima geração de basquetebolistas na Ásia e elevar o jogo na região. Afinal é disso que se trata na EASL”, disse Jalen Green, citado por um comunicado de imprensa enviado às redacções.

      Apesar de já ter nascido nos EUA, Green é um atleta muito influente nas Filipinas, de onde é originária a sua progenitora. “Jalen Green é a principal estrela asiática da NBA e possui uma profunda compreensão do mercado, sendo amado por fãs na Ásia e em todo o mundo. Também se preocupa profundamente com o desporto e acredita que ajudar a elevar o jogo na Ásia é parte do seu legado. A estrela vai ter agora uma nova forma de o fazer através da Superliga da Ásia Oriental”, afirmou Matt Beyer, director-executivo da EASL, igualmente citado pelo mesmo comunicado.

      De acordo com a organização da EASL, a estrela filipino-americana estará activa em entrevistas, eventos online com jogadores locais, campanhas nas redes sociais, entre outras situações, com enfoque nas Filipinas e noutros mercados asiáticos durante a pré-temporada da NBA.

      A Associação de Basquetebol das Filipinas (PBA, na sigla inglesa) também não deixou passar em claro a novidade e partilhou o seu pensamento sobre a nova parceria. “A PBA, como parceira da EASL, está entusiasmada em trabalhar em estreita colaboração com o embaixador Jalen Green, um filipino-americano bem conhecido nas Filipinas. Esperamos uma temporada bem-sucedida e competitiva este ano e nos próximos”, vaticinou o comissário da PBA, Willie Marcial.

      Também os responsáveis máximos das ligas do Japão, Coreia do Sul e de Taiwan se mostraram entusiasmados com a parceria firmada com Jalen Green. “É óptimo ver outro jogador de basquetebol do mais alto nível tornar-se embaixador da EASL” ou “A Liga Coreana de Basquete dá as boas-vindas e parabeniza Jalen Green como o novo embaixador da Superliga da Ásia Oriental” ou “Será emocionante ver Green desenvolver-se como jogador” foram alguns dos rasgados elogios tecidos pelas mais altas instâncias do basquetebol asiático.

      Jalen Green nasceu e cresceu na Califórnia, nos Estados Unidos da América, mas é filho de uma mulher filipina – Bree Puruganan –, daí a sua ligação à Ásia. Foi segunda escolha do ‘draft’ da NBA em 2021 pelos Houston Rockets. Na sua primeira época na NBA, o armador de 1,93 metros jogou 67 jogos pela franquia do Texas, tendo revelado uma média de 17,3 pontos por jogo e uma média de 32 minutos jogados por encontro. Green já representou a selecção dos EUA de basquetebol nas camadas jovens, mas também já demostrou interesse em jogar pelas Filipinas no futuro devido às suas raízes naquele país.