Edição do dia

Quinta-feira, 18 de Agosto, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens quebradas
25.9 ° C
27.1 °
25.9 °
94 %
6.2kmh
75 %
Qua
28 °
Qui
30 °
Sex
31 °
Sáb
29 °
Dom
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Cultura O corpo como uma tela, o caminho criativo da maquilhadora Mandy Cheuk...

      O corpo como uma tela, o caminho criativo da maquilhadora Mandy Cheuk até Macau

       

      A moda tem tudo a ver com fazer uma afirmação sobre algo, e quando se trata de estilo, a arte da maquilhagem é um dos factores-chave no processo de interpretação de uma certa ideia, aspecto ou mesmo identidade.

       

      Nascida em Shenzhen, a maquilhadora Mandy Cheuk cresceu em Hong Kong e vive actualmente em Macau. E agora é considerada uma referência na área, depois de ter conquistado um prestigiado prémio internacional de maquilhagem no famoso Festival Mundial de Pintura Corporal, em Julho do ano passado.

      No entanto, Mandy revela que quando era jovem nunca se interessou realmente pela maquilhagem. “Eu era apaixonada pela pintura. Adoro como as cores se podem espalhar sobre uma superfície plana e criar textura e espírito”, referiu.

      Competitiva no seu espírito para superar o exemplo dado pela sua irmã mais velha, Mandy passou da pintura para encontrar o seu próprio caminho na indústria do desenho. “A minha irmã frequentou uma escola de design em Hong Kong e eu também queria tentar. Mas eu não queria fazer exactamente a mesma coisa que ela, que era design de moda, por isso tentei outra coisa”.

      A sua escolha inicial foi o estilismo, no entanto, quando preenchia a candidatura, foi-lhe dito que não havia mais lugares disponíveis nesse curso.

      “O termo ‘maquilhagem’ era uma subcategoria do estilismo e eu disse a mim mesma que esta poderia ser uma boa escolha, uma vez que a maquilhagem é como a pintura, só que não está no papel, mas na cara!”.

      E, de facto, o corpo humano tornou-se desde então a tela de Mandy. Na escola de design em Hong Kong, Mandy teve de aprender do zero. “Da história da maquilhagem à sua aplicação às suas técnicas na prática, tivemos de aprender tudo em três anos”, diz ela.

      Não particularmente à vontade com estudos escritos, Mandy ficou muito mais à vontade quando finalmente foi apresentada à pintura de rostos com um pincel na mão. “Há nuances subtis numa única técnica. Para pintar um ‘Smokey Eye’, por exemplo, a professora dizia-nos os métodos básicos para o fazer e nós praticávamos estas técnicas nos rostos uns dos outros. Mas cedo percebi que cada rosto é diferente. E a mesma técnica deveria ser aplicada de forma diferente de acordo com olhos diferentes”.

      Tendo encontrado o seu estilo sobre a subtileza das técnicas de maquilhagem, Mandy estava ansiosa por experimentar as suas capacidades. No seu último ano na escola de design, conheceu a sua mentora e professora Karen Yiu. “Ela foi a primeira maquilhadora que fazia pintura corporal em Hong Kong e abriu-me completamente a mente sobre maquilhagem”, observa Mandy.

      Na altura, Karen Yiu procurava uma assistente e Mandy decidiu tentar a sua sorte. E o destino quis que quase imediatamente fosse chamada para a entrevista depois de se candidatar a assistente da sua futura mentora.

      Antes de saber o que estava a acontecer, Mandy viu-se a seguir a Karen no terminal do ferry para viajar para o concurso America’s Next Top Model a ser filmado em Macau na altura. “Foi a minha primeira experiência num evento internacional deste tipo e foi espantoso!”

      Mandy recorda como Karen estava a demonstrar-lhe como ser uma maquilhadora profissional e ensinou-a a lidar com todas as ferramentas. “Vê-la em acção inspirou-me realmente a continuar o meu próprio caminho”.

      Após apenas um ano como assistente de Yiu, outro evento fatídico estava reservado para Mandy, que ligou o seu caminho criativo fundamentalmente em Macau. “Karen foi inicialmente convidada para ser a maquilhadora do espectáculo Taboo, de Franco Dragone, mas como não pôde ficar em Macau o tempo todo, pediu-me para ser a técnica de maquilhagem a tempo inteiro no local”, explicou.

      Mandy ficou no Taboo durante quatro anos, numa experiência que foi um grande desafio. “Tive de aprender depressa e ser independente, uma vez que era a única técnica de maquilhagem no local. Tive também de executar de uma forma muito precisa, porque o espectáculo precisava de consistência e era sempre ao vivo”, recorda.

      No entanto, após quatro anos, quando o espectáculo acabou, Mandy também sentiu a necessidade de sair por conta própria. “Sugeriram que eu ficasse e trabalhasse para o The House of Dancing Water, mas eu achei que não era uma boa ideia para mim porque queria seguir o meu próprio caminho criativo”, diz ela.

      Mandy passou mais quatro anos a viajar entre a China continental, Hong Kong e Macau como freelancer para diferentes projectos, e no ano passado finalmente conseguiu avançar com um dos seus sonhos: O Festival Mundial de Pintura Corporal na Áustria. “Já tinha participado duas vezes neste concurso internacional, a primeira vez com a minha professora Karen, como assistente, e a segunda vez sozinha. Ambas as experiências não foram tão bem-sucedidas porque me faltava experiência e estava muito nervosa”, admite.

      Mas no ano passado, devido à pandemia, o festival anunciou que iria realizar uma versão online pela primeira vez, permitindo que ainda mais participantes se inscrevessem no concurso. “O concurso foi ainda mais intenso porque muitos mais artistas de todo o mundo puderam participar online em vez de viajarem fisicamente para lá”, explica.

      Mandy inscreveu-se em duas categorias, ‘Maquilhagem Criativa’ e ‘Rich Smokey’, e foi galardoada com o título de campeã nesta última categoria, de entre centenas de concorrentes mundiais, enquanto na primeira categoria ficou em 13.º lugar.

      Mandy explica ainda que em ‘Maquilhagem Criativa’, o tema do ano passado foi ‘Moda Selvagem’, enquanto que ‘Rich Smokey’ foi uma nova categoria. Em ambas as categorias, os participantes foram obrigados a desenhar e executar um estilo geral com fatos, maquilhagem e desenho de cabelo numa modelo. Cada concurso de categoria teve uma duração de três horas, durante as quais os concorrentes foram convidados a carregar fotografias para o site oficial em linha mostrando o processo do início ao fim.

      “O meu conceito para ‘Rich Smokey’ foi ‘Primário’. Baseou-se nas cores primárias na natureza. O corpo humano não vem com cores ou padrões fortes. É talvez por isso que gostamos tanto de usar maquilhagem. Assim, o meu trabalho foi inspirado por uma ave selvagem nativa da Eurásia, um faisão que carrega as cores do vermelho, amarelo e azul”.

      O corpo e o cabelo da modelo foram cobertos com gesso branco, sobre o qual foram implantadas plumas vermelhas. “O gesso branco era como o osso humano para mim, e as penas vermelhas eram sangue. Eu queria despir o corpo humano até ao osso e sangue, e depois pintei as cores primárias do rosto para criar uma textura apaixonada e crua do desejo humano”, explica a artista.

      Quanto ao tema ‘Fashion Savage’, Mandy criou uma obra intitulada Be Radiant. “Este trabalho é baseado em criaturas oceânicas e eu criei os fatos como se fossem um peixe gelatinoso ou algo do género”.

      Mandy explica que o rosto humano neste caso era quase sem emoção, com lágrimas metálicas no canto dos olhos. “Nos últimos anos sinto-me como se tivéssemos estado em condições reprimidas em que não nos é permitido destacar-nos da multidão. A criatividade deve ser capaz de reflectir as condições humanas colectivas e, ao mesmo tempo, a singularidade humana. Podemos não ser ninguém na sociedade, mas a individualidade ainda revela o nosso esplendor”, referiu.

       

      Alice Kok, Macau Closer

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau