Edição do dia

Quinta-feira, 22 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nevoeiro
23.9 ° C
27.6 °
22.9 °
88 %
2.1kmh
75 %
Qui
24 °
Sex
21 °
Sáb
20 °
Dom
21 °
Seg
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade  “Guerra pode acontecer de uma forma que ninguém esperava”, diz historiador

       “Guerra pode acontecer de uma forma que ninguém esperava”, diz historiador

      Ao PONTO FINAL, Michael Share, professor da Universidade de Macau especializado em história russa, analisou a situação actual no que toca ao conflito militar russo-ucraniano num prisma histórico. O académico defende que quanto mais tempo as guerras durarem, mais perigosas são e mais descontroladas ficam, alertando que se o confronto geopolítico não for abordado de maneira apropriada poderá levar a uma terceira guerra mundial.

       

      Desde que a Rússia lançou uma invasão militar em larga escala à Ucrânia em 24 de Fevereiro de 2022, os combates causaram centenas de vítimas civis e levaram dezenas de milhares de ucranianos a fugir para os países vizinhos. Perante o conflito militar russo-ucraniano, na opinião de Michael Share, académico universitário especializado em história russa, as forças de Putin não estão a proceder tão bem como ele próprio pensava. “Penso que Putin pensou inicialmente em termos de guerra blitzkrieg de estilo alemão da II Guerra Mundial”, observou o historiador norte-americano.

      Michael Share notou que o progresso da coluna militar russa de mais de 60 quilómetros vinda do Norte tem estado parado há dias e há progressos no Sul, visto que a cidade de Kherson tem sido ocupada pelas forças russas. “Os ucranianos estão a lutar melhor do que o esperado, mas ainda em menor número e sem armas”, frisou o professor da Universidade de Macau.

      “Julgo que a Agência de Inteligência da Rússia talvez tenha prestado a Putin um mau serviço. Acho que lhe disseram que o povo ucraniano iria saudar as forças russas, com flores e doces, e em vez disso as forças russas encontraram muito mais resistência do que o que esperavam,” disse o académico.

      O historiador norte-americano referiu que a Ucrânia começou a sua resistência bastante atrasada, embora mais tarde se tenha mobilizado. Tendo refeito as suas forças, os ucranianos receberam armas da União Europeia e dos EUA, e com o apoio popular, as forças armadas controlaram as ruas, estabelecendo posições defensivas em torno das cidades principais.

      Os russos, por sua vez, após terem ocupado uma parte do território ucraniano, particularmente a norte em redor de Chernobyl e a norte da península da Crimeia, praticamente pararam. Na opinião de Share, as forças russas tomaram poucas grandes cidades da Ucrânia.

      Face às derrotas iniciais, as forças russas repensaram e mobilizaram posteramente a sua coluna militar, que tem cerca de 60 quilómetros de comprimento e se estende ao longo do caminho de norte a sul até à cidade de Kiev. A coluna militar não foi equipada com combustível ou alimentos suficientes e parou a caminho. O principal aeroporto ucraniano fora de Kiev já não funcionava bem, pelo que os ucranianos não podem utilizar muitos aviões, nem têm aviões teleguiados. “Assim que a coluna militar chegar à periferia de Kiev, a expectativa é que se espalhe pela cidade e conduza um cerco de estilo medieval em Kiev. Não permitirão então qualquer reabastecimento de comida, água e suplementos médicos para a cidade. Acho que eles esperavam que uma vez iniciado o cerco, a cidade fosse rapidamente cercada, entrariam e rapidamente conquistaram a cidade”, advertiu Share.

      Relativamente à segunda maior cidade ucraniana, Kharkiv, o académico esperava que os russos fizessem uma estratégia semelhante à que fizeram na capital, Kiev. As forças militares russas tomaram então uma decisão semelhante. Foi em Kharkiv que explodiram o edifício da administração pública no centro da cidade. Os ucranianos já estão a planear combater rua a rua, indicou o especialista em história russa.

      O avô de Share nasceu em Odessa, a terceira maior cidade ucraniana. “Todos acreditam que as forças russas querem estabelecer uma grande ponte entre o território que actualmente detêm no sudeste da Ucrânia até à Crimeia. Presumo que irá haver uma batalha em Odessa, que pode acontecer nestes dois dias”, alertou. Para Share, a questão é até que ponto os ucranianos serão capazes de aguentar contra forças cada vez mais esmagadoras. O académico norte-americano acredita que um cerco vai ser conduzido, em torno da capital, Kiev, e da segunda maior cidade, Kharkiv, mas realçou que “quanto mais tempo durar, mais confusa ficará a guerra”. “Talvez depois de alguns dias bombardeiem a maioria das cidades, é assim que o vejo acontecer,” alertou o professor universitário.

       

      Conflito em evolução

      A ser questionado sobre para como irá evoluir o conflito russo-ucraniano, Michael Share acredita que a guerra irá durar muito mais tempo do que o esperado e recordou a I e II Guerras Mundiais na história para explicar a situação actual: “As grandes potências no início da I Guerra Mundial, durante o Verão de 1914, pensaram que um ou outro lado poderia ganhar rapidamente, e aí poderiam realizar o jantar de Natal em 25 de Dezembro de 1914. No entanto, a guerra ficou cada vez mais fora de controlo e, inesperadamente, durou de facto mais de quatro anos. No início da II Guerra Mundial, Hitler invadiu a Polónia em Setembro de 1939 e esperava uma conquista rápida. Os britânicos e franceses acreditavam que a paz chegaria até Novembro do mesmo ano, porém, a guerra surpreendentemente durou mais de cinco anos”.

      O académico acredita que, quanto mais tempo as guerras durarem, mais perigosas são, e mais descontroladas ficam. “Creio que aquando da entrada do conflito militar com a Ucrânia, Putin pensava que a guerra seria curta, com poucas mortes, os soldados seriam saudados como libertadores e não como inimigos, podendo ocupar o país inteiro e matar ou deter o actual governo ucraniano, instalando uma facção de Moscovo. Em vez disso, os ucranianos de facto estão a resistir muito, o seu presidente Zelensky agora parece ser um herói nacional”, referiu o historiador.

      Para a Europa, Michael Share acredita que existe algum risco potencial. “Se há muitas forças ucranianas a tentarem fugir para a Polónia, e a força russa continuar a persegui-las e não pararem na fronteira polaca, isto poderia facilmente envolver tropas norte-americanas, e depois começa-se a falar de um confronto entre tropas norte-americanas e tropas russas, e ambas têm armas nucleares, e aí estaremos na III Guerra Mundial. Isto é o que pode acontecer quando se inicia uma guerra, as coisas podem acontecer de uma forma que ninguém esperava”.

      Michael Share é um académico universitário especializado em história russa que propôs a criação do programa semestral para o Centro Russo na Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Macau, onde pretende leccionar aulas introdutórias em matéria da língua e cultura russa no território. No entanto, o programa está a enfrentar dificuldades devido às crises emergentes, inclusivamente a restrição da mobilização entre Hong Kong e Macau e a falta de apoio financeiro da Fundação Russkii Mir.

       

       

      PONTO FINAL