Edição do dia

Quinta-feira, 27 de Janeiro, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
21.3 ° C
22.7 °
20.9 °
83 %
2.6kmh
20 %
Qui
21 °
Sex
20 °
Sáb
19 °
Dom
16 °
Seg
14 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China China confiante de que vai ser capaz de prevenir transmissão de nova...

      China confiante de que vai ser capaz de prevenir transmissão de nova variante Ómicron

      Xu Wenbo, director do Centro de Controlo de Doenças da China, assumiu que a probabilidade de a variante Ómicron chegar ao país é alta. No entanto, assegurou que a estratégia chinesa será capaz de prevenir a sua transmissão.

      As autoridades de saúde da China consideram existir “alta probabilidade” de que a variante Ómicron do SARS-CoV-2 chegue ao país, mas ressalvam que a “estratégia de prevenção” chinesa vai ser “eficaz” na prevenção da sua transmissão.

      O director do Centro de Controlo de Doenças da China, Xu Wenbo, destacou em entrevista à televisão estatal CCTV que o Centro desenvolveu um método de detecção de ácido nucleico que a nova variante não pode contornar e que permite “determinar continuamente possíveis casos importados”.

      Apesar das mutações que esta variante apresenta, Xu disse estar confiante de que as vacinas podem “reduzir a proporção de doentes graves e mortos” e garantiu que as inoculações de segunda geração que estão a ser desenvolvidas pelo país “serão capazes de lidar” com a estirpe. A China administrou 2.492 milhões de doses das suas vacinas, o suficiente para inocular mais de 80% da população. Xu explicou que a variante Ómicron não implica necessariamente uma mudança fundamental, visto que o “serótipo ainda é o do SARS-CoV-2”, e acrescentou que “ainda não se sabe se a Ómicron se espalhará mais rapidamente”.

      Hong Kong detectou, nos últimos dias, três casos desta variante, que ainda não foi detectada no continente chinês. A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou que os riscos globais impostos pela nova variante são “muito altos” e Xu pediu à população chinesa que mantenha uma distância segura, use máscaras e não saia do país a menos que seja indispensável.

      O epidemiologista chinês Zhang Wenhong, uma das vozes mais reconhecidas no país asiático durante a pandemia, descartou no último fim-de-semana que a Ómicron tenha um impacto significativo na China graças à rígida política de “tolerância zero” com o vírus e à “resposta rápida do país” para lidar com qualquer nova variante.

      A China mantém uma política de “zero casos”, que inclui quarentena obrigatória de pelo menos 14 dias para qualquer viajante que entre no país asiático.

      Segundo a Comissão Nacional de Saúde da China, desde o início da pandemia, o país registou 98.711 casos, entre as quais 4.636 foram mortais.

      A Covid-19 provocou pelo menos 5.197.718 mortos mortes em todo o mundo, entre mais de 260,81 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

      A doença é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no final de 2019. Uma nova variante, a Ómicron, foi recentemente detectada na África do Sul e, segundo a Organização Mundial da Saúde, o “elevado número de mutações” pode implicar uma maior infecciosidade.

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau

      DEIXE UMA RESPOSTA

      Por favor escreva o seu comentário!
      Por favor, escreve aqui o seu nome