Edição do dia

Segunda-feira, 26 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
13.9 ° C
15.9 °
13.9 °
77 %
6.2kmh
40 %
Dom
15 °
Seg
19 °
Ter
19 °
Qua
20 °
Qui
22 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade Associação aconselha restaurantes a não dependerem da indústria do turismo  

      Associação aconselha restaurantes a não dependerem da indústria do turismo  

      Chan Chak Mo, presidente da União das Associações dos Proprietários de Estabelecimentos de Restauração e Bebidas de Macau, sugeriu que os empresários da restauração não estejam tão dependentes do turismo e se foquem no consumo local. Ao PONTO FINAL, o empresário e deputado descreveu a situação económica actual como “preocupante”.

      Na sequência do encerramento de cada vez mais estabelecimentos de restauração no território, nomeadamente de cafés ligados à comunidade expatriada, Chan Chak Mo sugeriu que o sector deve distanciar-se do turismo. O presidente da União das Associações dos Proprietários de Estabelecimentos de Restauração e Bebidas de Macau disse ao PONTO FINAL que acredita que o restabelecimento das passagens com Hong Kong será benéfico para o sector.

      “De momento estamos todos apenas à espera de que a economia recupere”, apontou, prevendo um restabelecimento em breve das passagens sem restrições fronteiriças entre Macau e Hong Kong até Dezembro. Recorde-se que entretanto as autoridades anunciaram que, quem quiser entrar em Macau vindo de Hong Kong, terá de apresentar um teste negativo de ácido nucleico feito nas últimas 72 horas.

      O empresário do ramo da restauração, director executivo do grupo Future Bright, assinala que as autoridades de saúde das duas regiões têm analisado a situação e, caso não se verifiquem problemas, o restabelecimento total das passagens deve acontecer. “Não vejo por que não poderá haver melhorias”, apontou.

      Questionado acerca dos números estatísticos de estabelecimentos que fecharam no último trimestre do ano, Chan Chak Mo revelou não os ter, acrescentando que essas estatísticas são da competência da Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC) ou da Direcção dos Serviços de Finanças (DSF). “Sei que algumas lojas e estabelecimentos estão a fechar, mas não tenho o número concreto e não sei se os números de que ouço falar são legítimos, por isso não me quero pronunciar a este respeito”, referiu.

      No que toca aos apoios dados pela associação que lidera aos estabelecimentos forçados a fechar portas, Chan Chak Mo lembrou o Festival de Gastronomia, que se realiza até 5 de Dezembro, junto à Torre de Macau. “Continua a ser uma oportunidade muito boa para as empresas locais”, comentou. O festival vai na sua 21.ª edição e é organizado anualmente pela União das Associações dos Proprietários de Estabelecimentos de Restauração e Bebidas de Macau. Segundo o responsável da associação, este ano o festival tem 45 novas bancas. O empresário e deputado admite que a situação económica actual é “preocupante”, mas garante que tem insistido com o Governo para continuar com eventos, como o Festival Gastronómico.

      Chan Chak Mo indicou também que os negócios da área da restauração não devem estar demasiado dependentes do turismo. “Se algo acontecer como a pandemia, outras doenças ou alguma crise económica, isso poderá afectar as suas operações”, alertou. “O importante é não depender demasiado da indústria do turismo e colocar sempre mais ênfase no consumo local, no mercado local, para que, quando a crise económica atingir por qualquer razão, ainda se possa sobreviver”, concluiu.