Edição do dia

Segunda-feira, 26 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
13.9 ° C
15.9 °
13.9 °
77 %
6.2kmh
40 %
Dom
15 °
Seg
19 °
Ter
19 °
Qua
20 °
Qui
22 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade Confrontos à porta de restaurante na Areia Preta deixam homem em coma

      Confrontos à porta de restaurante na Areia Preta deixam homem em coma

      Um homem de nacionalidade tailandesa foi detido pela polícia após ter estado envolvido numa altercação física com um outro indivíduo da mesma nacionalidade que acabou por ser hospitalizado em estado grave no Hospital Conde de São Januário.

      O caso foi reportado à Polícia Judiciária na segunda-feira de manhã pela Polícia de Segurança Pública, que afirmou que teria havido um caso de confrontos na zona da Areia Preta à frente de um restaurante e que a vítima teria sido levada para o hospital. As autoridades deslocaram-se ao hospital e contactaram o médico responsável, que confirmou que a vítima tinha sido submetida a uma cirurgia ao crânio e que tinha chegado inconsciente ao hospital, estando actualmente em coma, segundo as autoridades.

      Depois de realizadas as investigações as autoridades apuraram que o caso passou-se durante uma festa de aniversário de uma mulher tailandesa de 20 anos, que teria convidado os dois homens, entre outras pessoas. Porém, por volta das cinco da manhã, o suspeito e a vítima deslocaram-se para fora do restaurante para uma conversa relacionada com questões que envolviam relacionamentos anteriores. Durante a discussão, um dos homens acabou por agredir o outro com um murro na face, fazendo com que caísse e embatesse com a cabeça no chão e perdendo a consciência, segundo as autoridades.

      O suspeito, de apelido Wongchan, de 26 anos, desempregado, foi detido pela polícia no seu apartamento na zona do templo A-Má, por volta das sete da tarde no dia 16. De acordo com a polícia, o indivíduo recusou-se a responder às questões dos agentes, sendo que o caso ainda se encontra em investigação. As autoridades acrescentaram que o suspeito veio para o território com contrato de trabalho e está desempregado, possuindo apenas documentos de autorização de permanência em Macau.