Edição do dia

Terça-feira, 18 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
31.7 ° C
34.8 °
30.9 °
89 %
5.1kmh
40 %
Ter
32 °
Qua
31 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioLusofoniaTurismo de Portugal quer alcançar meio milhão de visitantes chineses em 2026

      Turismo de Portugal quer alcançar meio milhão de visitantes chineses em 2026

      O presidente do Turismo de Portugal, Carlos Abade, apontou ontem como objectivo chegar a 500.000 turistas chineses por ano, em 2026, durante uma visita a Pequim, onde participou na maior feira de turismo do país asiático. Em declarações à agência Lusa, à margem do ITB China, onde participou com uma delegação de 20 empresas portuguesas, Carlos Abade acrescentou que a meta é alcançar um milhão de dormidas por turistas chineses durante 2026. “Alinhado com aquilo que são as previsões de crescimento do mercado chinês no mundo achamos que isso é possível”, afirmou. Portugal recebeu 57.740 turistas oriundos da República Popular da China – exclui Hong Kong, Macau e Taiwan – no primeiro trimestre de 2024. Isto corresponde a um aumento de 135% em termos homólogos, mas representa apenas 70% dos níveis de 2019, o último ano antes da pandemia da covid-19. “Talvez seja possível chegar ao final do ano com números semelhantes aos de 2019, o que seriam 385.000 hóspedes, 600.000 dormidas e 224 milhões de euros de receita”, afirmou Carlos Abade.

      A China, o maior emissor de turistas do mundo, manteve as fronteiras encerradas durante quase três anos, no âmbito da política de “zero casos” de covid-19, que foi desmantelada, no final de 2022, após protestos ocorridos em várias cidades do país. No âmbito daquela política, quem chegava ao país tinha que cumprir um período de quarentena de até três semanas em instalações designadas. O número de voos internacionais foi reduzido até 2% face ao período anterior à pandemia. A escassez de voos comerciais para o exterior, os muitos chineses com passaportes expirados ou sem visto Schengen, significam que o impacto da reabertura da China ainda não se materializou: apenas 87 milhões de chineses viajaram para o exterior em 2023, em comparação com 155 milhões em 2019, de acordo com dados da Academia de Turismo da China. O presidente do Turismo de Portugal destacou, no entanto, os resultados “magníficos” para o Porto. Apesar do número de turistas chineses a nível nacional continuar aquém do nível de 2019, no caso da segunda maior cidade do país houve um aumento de 107%, em termos homólogos, no primeiro trimestre de 2024. O responsável destacou ainda a importância de operar nas redes sociais chinesas, após o lançamento pelo Turismo de Portugal de um miniprograma no WeChat, visando promover a gastronomia, pontos turísticos ou festividades portuguesas. Pequim mantém um mecanismo de censura ‘online’ conhecido por “Grande Firewall da China” que bloqueia portais como Facebook, Youtube ou Instagram. “Estamos muito presentes nessa dimensão, porque percebemos, de facto, que as dinâmicas passam muito por aí”, frisou.

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau