Edição do dia

Domingo, 19 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva moderada
25.1 ° C
26.9 °
24.9 °
83 %
5.7kmh
40 %
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
25 °
Qua
25 °
Qui
25 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioLusofoniaPortugal não é factor de bloqueio a acordo entre São Tomé e...

      Portugal não é factor de bloqueio a acordo entre São Tomé e a Rússia, diz chefe de Estado

      O Presidente são-tomense disse que nem Portugal é factor de bloqueio ao acordo de cooperação militar entre São Tomé e Moscovo nem há razões para crispação, após ter abordado o tema com o seu homólogo português.

       

      “Existe muito ruído à volta do problema, mas Portugal de maneira nenhuma é um factor de bloqueio à assinatura desse acordo, que é algo que diz respeito a São Tomé e Príncipe”, afirmou Carlos Vila Nova, no domingo, quando interpelado pelos jornalistas, após participar numa missa na paróquia de Fátima, em São Tomé.

      Carlos Vila Nova disse que conversou com o Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, na sexta-feira à noite, e não ficou com o sentimento de que haja um clima de crispação, após as declarações feitas por dirigentes dos dois países.

      Na sexta-feira, o primeiro-ministro são-tomense Patrice Trovoada, afirmou que o seu executivo não precisa de Portugal para se relacionar com a Europa e avisou que as autoridades portuguesas só conhecerão o acordo militar com a Rússia se for publicado.

      Patrice Trovoada reagia às declarações do Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, que, na quinta-feira, afirmou desconhecer o acordo de cooperação militar assinado entre São Tomé e Príncipe e a Federação Russa, mas que vai querer conhecer o documento.

      Reagia também às declarações do ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE) português, Paulo Rangel, que afirmou, na quinta-feira, que Portugal e “outros Estados europeus manifestaram estranheza, apreensão e perplexidade perante este acordo”.

      “Eu penso que com os próximos dias, com o andamento da situação tudo se esclarecerá, não há por parte de nenhum parceiro tentativa de bloquear, seja o que for. Há é uma necessidade talvez de lisura, cumprir essas etapas, ter em conta os procedimentos necessários”, afirmou Carlos Vila Nova.

      O chefe de Estado são-tomense apelou à “calma a todas as partes” para que se possa trazer contributos para o bem de São Tomé e Príncipe “porque o país vive momentos muito difíceis socioeconomicamente”.

      Carlos Vila Nova defendeu que é preciso as autoridades são-tomense evitarem “que haja colisões” de opiniões, ações e de atitudes entre os parceiros da Rússia e outros da NATO que apoiam São Tomé e Príncipe na fiscalização do Golfo da Guiné.

      O chefe de Estado são-tomense referiu que tem conhecimento da assinatura do acordo, mas até ao momento não falou com o primeiro-ministro sobre o assunto. “Eu tinha conhecimento da assinatura do acordo, mas com o primeiro-ministro ainda não falei, até porque eu espero que essas etapas a que eu me referi, sobretudo [o envio do acordo] à Assembleia Nacional, seja efetuada o mais rapidamente possível, até para evitar essa falta de esclarecimento e termos as coisas com maior lisura”, afirmou Carlos Vila Nova.

      Segundo a agência de notícias oficial russa Sputnik, o acordo militar “por tempo indeterminado” foi assinado em São Petersburgo em 24 de Abril e começou a ser implementado em 5 de Maio, prevendo formação, utilização de armas e equipamentos militar e visitas de aviões, navios de guerra e embarcações russas ao arquipélago.

      Na sexta-feira, o primeiro-ministro são-tomense disse que, do lado são-tomense, “as coisas estão claras, estão tranquilas” e o acordo com a Rússia “está em vigor” e vai ser efetivado, após seguir os procedimentos internos. Lusa

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau