Edição do dia

Sábado, 25 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
26.4 ° C
28.2 °
25.9 °
94 %
4.1kmh
40 %
Sáb
27 °
Dom
26 °
Seg
27 °
Ter
29 °
Qua
25 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeConcluída primeira fase de construção do edifício do TUI na Praia Grande

      Concluída primeira fase de construção do edifício do TUI na Praia Grande

      Foi concluída a primeira fase das obras para a nova instalação do Tribunal de Última Instância, com as fundações, cave e suporte de paredes exteriores prontas. A construção avança agora para a segunda fase, estando a obra da superestrutura em curso. Segundo os Serviços de Obras Públicas, durante a obra, o edifício do antigo tribunal será mantido, mas as antigas instalações da Polícia Judiciária foram demolidas além da fachada da ala leste.

      O novo edifício do Tribunal de Última Instância (TUI), que está a ser construído no terreno onde se encontravam o antigo tribunal e as antigas instalações da Polícia Judiciária, já está com a primeira fase das obras concluída. As construções actualmente terminadas incluem as fundações, cave e suporte de paredes exteriores.

      Segundo o seu portal online, a Direcção dos Serviços de Obras Públicas (DSOP) já recebeu a empreitada de forma provisória este mês. A apresentação do projecto indica que a nova instalação do TUI ocupará dois lotes, do edifício do antigo tribunal, situado na Avenida da Praia Grande, bem como o local onde ficavam as antigas instalações da Polícia Judiciária na Rua Central, cuja área total é de 3.524 metros quadrados.

      A empreitada é dividida em duas fases para a respectiva implementação, sendo que a primeira fase consiste sobretudo na demolição das antigas instalações da Polícia Judiciária e na preservação da fachada parcial da ala leste das instalações ao longo da rua e na realização das obras de construção de fundações por estacas e de um piso em cave.

      Recorde-se que o empreendimento foi concepcionado pelo MAA Marreiros Atelier de Arquitectura Limitada, liderado pelo arquitecto Carlos Marreiros, e foi adjudicado à Sociedade de Engenharia Soi Kun, Limitada, empresa criada pelo antigo deputado Mak Soi Kun, por um preço de 55,9 milhões de patacas. A consignação da obra foi em Outubro de 2022 e estava previsto um prazo de execução de 435 dias de trabalho. O decurso da empreitada sofreu um atraso de duas semanas no ano passado devido ao impacto causado pela epidemia.

      A DSOP revelou ainda que a segunda fase de construção do edifício do TUI, sobre a obra da superestrutura, também foi adjudicado no mês passado, à Tat Cheong – Companhia de Construção e Engenharia, Limitada, por um valor de adjudicação de 235 milhões de patacas, com um prazo de execução de 541 dias de trabalho. A data de conclusão da obra está prevista para Janeiro de 2026.

      “De acordo com o projecto de concepção, o edifício do antigo tribunal será mantido e uma parte espacial será reordenada conforme as novas funções e, simultaneamente, serão realizados os trabalhos de consolidação da estrutura e remodelação no interior”, adiantou a DSOP. Por outro lado, para as antigas instalações da Polícia Judiciária, só será mantida a sua fachada da ala leste do prédio ao longo da rua, sendo que as restantes partes serão demolidas, e em seguida será construído um novo edifício que terá um piso em cave e três pisos de altura.

      O edifício do Antigo Tribunal, que faz parte dos bens imoveis classificados com interesse arquitectónico, foi construído em 1951, durante o período do Estado Novo, do regime Salazarista. O edifício de três andares é um estilo eclético, e os degraus de pedra de três andares em frente da entrada e as quatro robustas colunas iónicas em cada lado do edifício “simbolizam a autoridade do governo”. Segundo o Instituto Cultural, o edifício foi inicialmente utilizado com escritórios para vários departamentos governamentais, incluindo o Departamento de Finanças, o Departamento de Assuntos Civis, o Departamento Económico, o Gabinete de Notas e o Tribunal de Primeira Instância, daí o nome “Edifício dos Gabinetes do Governo”.

      Mais tarde, devido à falta de espaço, os serviços governamentais saíram do edifício, que foi alterado para Tribunal Judicial de Base (TJB) após a criação da RAEM. Porém, o TJB também saiu do edifício em 2003. O espaço foi posteriormente aberto para uso de grupos artísticos. No passado, o Governo chegou a ponderar a construção da nova Biblioteca Central no sítio do antigo tribunal, mantendo apenas a fachada do complexo, tendo o plano causado polémica na sociedade. O Executivo acabou por decidir em 2020 remodelar o antigo tribunal para ser reservado para utilização judicial.