Edição do dia

Quarta-feira, 17 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
27.9 ° C
28.9 °
27.9 °
83 %
4.6kmh
40 %
Qua
28 °
Qui
29 °
Sex
28 °
Sáb
28 °
Dom
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioCulturaJames Zimmerman e a história do maior assalto ferroviário na China

      James Zimmerman e a história do maior assalto ferroviário na China

      “The Peking Express” é o título do livro da autoria de James M. Zimmerman que conta a história real daquele que é visto como o maior assalto ferroviário da China. James Zimmerman apresentou o livro ontem, no âmbito do Festival Literário Rota das Letras, e chamou a atenção para um elemento português na história.

      O autor, advogado norte-americano que trabalha na China há 26 anos, explicou em Macau que o livro usa factos históricos totalmente verdadeiros que ocorreram em 1923, numa altura em que os senhores da guerra dominavam várias porções de território chinês, após a queda da Dinastia Qing. Na altura, tinha entrado em funcionamento a linha ferroviária entre Xangai e Pequim, o que fez com que muitos turistas chineses e também estrangeiros quisessem fazer esse percurso. Percurso, esse, que passava precisamente pelo meio de territórios dominados por bandidos.

      O livro revela como Sun Mei-yao, líder de um grupo de 700 bandidos, fez descarrilar o comboio no Sul da província de Shandong, dando início ao sequestro de 75 chineses e 25 estrangeiros ao longo de 37 dias.

      É aqui que surge o elemento português na história, com um ministro e embaixador de Portugal que liderava o corpo diplomático estrangeiro na China e que foi quem mais fez pressão para que as autoridades chinesas fizessem tudo para libertar os reféns. Segundo Zimmerman, o Governo chinês não tinha nenhum plano nem solução para resolver a questão.

      Sun Mei-yao acabou por ceder e os reféns foram libertados. James Zimmerman revelou que o livro termina com o senhor da guerra que dominava aquela zona a reunir todos os elementos do grupo de Sun Mei-yao e a executá-los.

      O livro, lançado no ano passado, pretende também dar a conhecer aquele momento específico da história da China e foi feito com base em documentos históricos e relatos de descendentes das pessoas envolvidas.