Edição do dia

Segunda-feira, 4 de Março, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
16.9 ° C
18.9 °
16.9 °
94 %
2.6kmh
40 %
Dom
20 °
Seg
22 °
Ter
23 °
Qua
24 °
Qui
19 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Lusofonia Acordo de vistos de 10 anos entre China e Brasil entra em...

      Acordo de vistos de 10 anos entre China e Brasil entra em vigor a 19 de Fevereiro

      O acordo assinado entre China e Brasil para concessão recíproca de vistos até 10 anos para viagens de lazer, negócios ou por motivos familiares vai entrar em vigor a 19 de fevereiro, informou ontem a diplomacia chinesa.

      Em comunicado, o ministério dos Negócios Estrangeiros informou que os vistos vão permitir entradas múltiplas e uma estadia de até 90 dias por visita, até um máximo de 180 dias por ano. Até à data, a duração máxima dos vistos entre os dois países era de cinco anos.

      O acordo que tornou possível esta medida foi assinado em Brasília, em Janeiro passado, pelo ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, Wang Yi, e pelo homólogo brasileiro, Mauro Vieira, no âmbito da IV Reunião do Diálogo Estratégico Global Brasil – China, embora na altura não tenha sido especificada a data em que entraria em vigor. “A iniciativa vai facilitar as viagens, incentivar a promoção de contactos diretos entre as nossas comunidades empresariais e impulsionar o turismo entre os nossos dois países”, disse na altura o ministro brasileiro.

      De acordo com dados da autoridade de turismo do país sul-americano, 42.500 turistas chineses visitaram o Brasil no ano passado, ainda abaixo dos 68.580 registados em 2019, antes do início da pandemia da covid-19.

      A China é o maior parceiro comercial do Brasil desde 2009 e uma das principais fontes de investimento estrangeiro no país sul-americano. O comércio entre os dois países atingiu um recorde de 157,5 mil milhões de dólares (mais de 146 mil milhões de euros) no ano passado, com as exportações brasileiras a ascenderem aos 104,3 mil milhões de dólares (quase 97 mil milhões de euros).

      A China reabriu as fronteiras há um ano, após ter desmantelado a estratégia ‘zero casos’ de covid-19, e está agora a tentar atrair visitantes e reavivar o investimento estrangeiro, entre outras medidas para impulsionar uma recuperação económica mais lenta do que o esperado.

      Em Setembro, a China aprovou novas medidas para simplificar os pedidos de visto e facilitar o acesso dos estrangeiros aos sistemas de pagamento electrónico do país. Dois meses mais tarde, o ministério dos Negócios Estrangeiros chinês anunciou que os cidadãos de Espanha, França, Alemanha, Itália, Países Baixos e Malásia não precisarão de vistos para entrar no país este ano para estadias até 15 dias. Pequim assinou também acordos de isenção de vistos com a Tailândia e Singapura, nos últimos meses.

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau