Edição do dia

Domingo, 3 de Março, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
12.9 ° C
15.9 °
12.9 °
88 %
4.6kmh
40 %
Dom
20 °
Seg
22 °
Ter
24 °
Qua
24 °
Qui
19 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Desporto Cabo Verde festeja 'quartos' da CAN2023 e não há camisolas que cheguem

      Cabo Verde festeja ‘quartos’ da CAN2023 e não há camisolas que cheguem

      As vitórias da selecção cabo-verdiana na Taça das Nações Africanas (CAN2023) de futebol refletem-se nas vendas e, em várias lojas, a camisola azul e vermelha dos ‘tubarões’ está esgotada. “Infelizmente, esgotaram-se as camisolas. Estamos à espera que cheguem mais”, referiu à Lusa, Flávio Rocha, responsável pela Casa do Benfica, na Praia, um dia depois de Cabo Verde ter garantido a presença nos quartos de final da CAN2023.

      Noutro ponto da cidade, a Senna Sport vendeu em duas semanas aquilo que costuma vender num ano, cerca de 360 camisolas, explicou Graciete Alves, ao mostrar que só restam sete e de um modelo mais antigo.

      Cabo Verde qualificou-se na segunda-feira para os quartos de final, igualando a melhor prestação de sempre, obtida no CAN de 2013, na altura com apenas 16 equipas, em vez das 24 atuais – em 2013, após a fase de grupos seguiam-se os quartos de final, enquanto este ano os ‘tubarões’ já passaram os oitavos de final (vitória por 1-0 frente à Mauritânia).

      Flávio Rocha espera que, com o apuramento para os quartos de final, a procura seja “ainda maior”, pelo menos até sábado, quando Cabo Verde defronta Marrocos ou a África do Sul. “Há muita procura, todos os dias recebemos ligações e pessoas a passarem para comprar”, afirmou, indicando que a camisola de cor vermelha (um dos equipamentos alternativos da selecção) tem sido, ali, a mais vendida.

      Na Casa do Benfica, os preços variam entre 3.800 e 4.200 escudos (34 a 38 euros) por camisola e entre os clientes há até emigrantes nos Estados Unidos de América.

      A corrida ao equipamento da selecção não tem paralelo e Graciete Alves disse à Lusa que, sem a CAN2023, no resto do ano, são os emigrantes quem mais procura as camisolas, para as levar para outros países. Outros produtos também registam uma subida na procura, como os cachecóis a 1.400 escudos (12,71 euros).

      A responsável pela loja recebe pedidos diários e tem contactado a Federação Cabo Verdiana de Futebol, em busca de novos fornecimentos: “A Federação disse que já encomendou, mas ainda não sabemos quando é que as camisolas vão estar disponíveis”.

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau