Edição do dia

Quinta-feira, 22 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nevoeiro
23.9 ° C
27.6 °
22.9 °
88 %
2.1kmh
75 %
Qui
24 °
Sex
21 °
Sáb
20 °
Dom
21 °
Seg
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Política Lei do combate ao jogo ilegal prevê prorrogação dos prazos de prisão...

      Lei do combate ao jogo ilegal prevê prorrogação dos prazos de prisão preventiva

      O Conselho Executivo apresentou ontem a proposta de lei de combate aos crimes de jogo ilegal. O diploma prevê a utilização de agentes infiltrados na investigação e buscas domiciliárias no período nocturno. A proposta de lei do Governo, que segue agora para discussão na Assembleia Legislativa, vai aumentar a moldura penal deste tipo de crimes, incluindo a prorrogação dos prazos de duração máxima da prisão preventiva.

       

      Foi apresentada ontem, pelo Conselho Executivo, a proposta de lei de combate aos crimes de jogo ilegal. O diploma, que segue agora para discussão na Assembleia Legislativa, tem como objectivo fazer uma revisão global da lei do jogo ilícito, em vigor há mais de 20 anos.

      O novo diploma serve “para promover o desenvolvimento sustentável e saudável do sector de jogos de fortuna ou azar em casino e aperfeiçoar o regime de fiscalização do sector”, diz o Conselho Executivo no comunicado em que apresenta a proposta, acrescentando que surge também na sequência da elaboração das novas leis que regulam o sector e que já entraram em vigor.

      Assim, o conteúdo principal desta proposta de lei inclui um aumento da moldura penal para crimes relacionados com o jogo ilícito, incluindo a prorrogação dos prazos de duração máxima da prisão preventiva. Por outro lado, “com vista a aperfeiçoar ainda mais o regime sancionatório relativo às infracções administrativas e a reforçar os seus efeitos dissuasores”, a proposta de lei propõe o aumento do valor das multas pelas infracções administrativas relacionadas com o jogo ilícito.

      Um outro aspecto que será introduzido nesta proposta de lei de combate aos crimes de jogo ilegal são as disposições relativas a agentes infiltrados, criando um novo regime de protecção para quem preste informações ou tenha colaborado com a polícia na descoberta de criminosos. Além disso, o diploma vai contemplar disposições que evitem que os detidos no âmbito desta lei possam comunicar com outras pessoas que não apenas o seu advogado.

      A investigação criminal vai também permitir que, em certos crimes, haja buscas domiciliárias nocturnas, entre as 21h e as 7h. “Os crimes de exploração ilegal de jogos de fortuna ou azar e apostas mútuas são praticados, habitualmente, no período nocturno”, explica o comunicado do Conselho Executivo.

      Esta nova proposta de lei também pretende “uniformizar e coordenar as normas jurídicas”, efectuando a sistematização da lei dos ilícitos penais relacionados com corridas de animais, respeitante aos crimes relacionados com apostas mútuas.

      O comunicado do Conselho Executivo diz também que o diploma pretende “dar mais um passo na clarificação quanto à composição do tipo de crime que configura o acto de ‘aposta paralela’, evitando discussões desnecessárias em termos de aplicação da lei”, por isso, a proposta de lei inclui expressamente este acto no âmbito da exploração ilegal de jogos de fortuna ou azar.

      Por fim, “para melhor combater as actividades criminosas relacionadas com a exploração ilegal de jogo online”, o novo diploma vai proibir expressamente a exploração, promoção e organização de jogos de fortuna ou azar e apostas mútuas online, independentemente de os sistemas, dispositivos e equipamentos informáticos envolvidos estarem ou não instalados em Macau.