Edição do dia

Quinta-feira, 29 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
15.9 ° C
17.9 °
15.9 °
88 %
3.1kmh
40 %
Qui
21 °
Sex
17 °
Sáb
16 °
Dom
20 °
Seg
22 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade Governo sem plano para lançar novamente hasta público de terrenos

      Governo sem plano para lançar novamente hasta público de terrenos

       

      Depois de não terem havido propostas na hasta pública de um terreno na Taipa, a Direcção dos Serviços de Solos e Construção Urbana (DSSCU) salientou que o Governo não tem, neste momento, um calendário concreto para a realização de novos concursos.

      Em resposta a uma interpelação escrita apresentada pelo deputado Leong Hong Sai acerca dos recursos de terrenos, o organismo, além de descartar planos recentes de tentar colocar novos terrenos no mercado privado, indicou apenas que o Governo irá “lançar oportunamente concursos públicos para a concessão de terrenos, em cumprimento da política ‘Cinco Classes de Habitação’”.

      Recorde-se que o Executivo lançou anteriormente uma hasta pública para a venda de dois terrenos localizados na Taipa. O lote BT9a, com uma área de 3.225 metros quadrados e localizado na Rua de Chaves, Rua de San Tau e Rua de Kwai Lam, recebeu apenas uma proposta no valor de 893 milhões de patacas. Já para a venda do lote BT8, situado na Avenida de Kwong Tung, com 3.509 metros quadrados, não foi recebida nenhuma proposta, o que, no entender das autoridades, “ficou aquém das expectativas”.

      “Logo após a divulgação da notícia, os operadores do sector afirmaram que a hasta pública ficou sem propostas, o que demonstra que, neste curto espaço de tempo, a confiança ainda não foi recuperada. […] A sociedade está atenta ao futuro do mercado imobiliário e à finalidade do terreno em causa, e espera que o Governo, a curto prazo, aproveite melhor os recursos de solos, em prol do bem-estar da população”, destacou Leong Hong Sai na interpelação, questionando a possibilidade de reduzir o preço base da hasta para a tornar mais atractiva.

      A DSSCU, neste caso, reiterou que, nos termos da Lei de Terras, o preço base definido para o concurso não pode ser inferior ao valor do prémio de concessão calculado segundo as normas legais em vigor.

      Relativamente à finalidade provisória para o referido terreno do lote BT8, o deputado sugeriu ainda que o terreno seja utilizado, por exemplo, para feiras temporárias nos feriados, lugares de estacionamento públicos provisórios, e em zonas verdes e de lazer provisórias. “Quanto ao terreno que não foi adjudicado no concurso público, o Governo da RAEM irá, antes da definição da sua finalidade definitiva, ponderar o seu uso, a título provisório, atendendo às diferentes necessidades da sociedade”, realçou o organismo. Na resposta, a DSSCU frisou ainda que, caso os serviços competentes submetam pedido de aproveitamento, a título provisório, irá colaborar, procedendo à respectiva análise e estudo.