Edição do dia

Quarta-feira, 21 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
22.9 ° C
24.9 °
22.9 °
88 %
2.1kmh
40 %
Qua
23 °
Qui
23 °
Sex
21 °
Sáb
21 °
Dom
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade Apenas uma escola local apresentou pedido para exploração em Hengqin  

      Apenas uma escola local apresentou pedido para exploração em Hengqin  

       

      Não só algumas empresas de Macau, como também as escolas locais podem querer expandir a sua operação até à Ilha da Montanha. A Direcção dos Serviços de Educação e de Desenvolvimento da Juventude revelou ter recebido um pedido da Associação de Apoio à Escola Hou Kong de Macau, que é liderada por várias figuras de Macau, como Alexandre Ma Iao Lai, José Chui Sai Peng e Chan Hong. O Governo diz também que a primeira escola para alunos de Macau no Novo Bairro de Macau em Hengqin deverá arrancar a admissão de alunos em Janeiro.

       

      A Direcção dos Serviços de Educação e de Desenvolvimento da Juventude (DSEDJ) recebeu uma manifestação de interesse por parte da Associação de Apoio à Escola Hou Kong de Macau para abrir uma escola na Zona de Cooperação Aprofundada em Hengqin, estando o Governo a trabalhar “activamente” no respectivo processo de verificação e aprovação da elegibilidade dessa entidade titular.

      A informação foi anunciada por Kong Chi Meng, director da DSEDJ. Citado pela Rádio Macau em língua chinesa, o responsável afirmou que “o processo tem decorrido sem problemas e prevê-se que o trabalho relevante seja concluído em breve”.

      A Associação de Apoio à Escola Hou Kong de Macau é actualmente liderada por várias personagens ligadas à esfera política, incluindo o seu presidente da Assembleia Geral, Alexandre Ma Iao Lai, que foi membro da Comité Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC) durante vinte anos, o vice-presidente José Chui Sai Peng, deputado e actual representante da CCPPC, bem como os antigos deputados Fong Chi Keong e Chan Hong, e Lao Ngai Leong, da Associação Geral dos Chineses Ultramarinos de Macau. Na premissa dos apelos do Executivo para a integração a Hengqin e ao desenvolvimento nacional, a associação ligada à Escola Hou Kong foi a primeira a tomar acção. “A DSEDJ também espera que sejam concedidas organizações com experiência de ensino de Macau e de elevada qualidade para criar e gerir escolas em Hengqin”, disse Kong Chi Meng.

      Para a primeira escola destinada aos educandos dos residentes de Macau no Novo Bairro de Macau em Hengqin, que está prevista para entrar em funcionamento no próximo ano lectivo de acordo com as Linhas de Acção Governativa para 2024, deverá arrancar a admissão de alunos no próximo Janeiro.

      Kong Chi Meng apontou que a construção e as instalações da escola estão basicamente concluídas e a escola deu já início aos trabalhos de preparação do funcionamento interno sobre o ensino. Neste caso, a DSEDJ referiu que “está confiante” de que a escola possa admitir oficialmente alunos e começar as actividades pedagógicas no novo ano lectivo. “Actualmente, a escola encontra-se na fase final dos procedimentos de aprovação para o funcionamento na Zona de Cooperação Aprofundada, e esforçar-se-á por sincronizar-se com as escolas locais para divulgar a informação sobre as matrículas em Janeiro do próximo ano, de forma que as famílias que trabalham e vivem em Hengqin possam ter mais uma opção para os filhos prosseguirem os estudos”, destacou.

      O responsável salientou que o currículo escolar do estabelecimento e o nível de ensino estão “todos articulados” com Macau, sendo as qualificações dos professores em conformidade com as exigências de Macau e de Hengqin. Em relação ao número de alunos a admitir, Kong Chi Meng rejeitou dar um número certo, mas disse que isso dependeria da situação da venda e ocupação no Novo Bairro de Macau em Hengqin, bem como a vontade de transferir de outras escolas por parte dos alunos locais que agora estudam em Hengqin.

      Por outro lado, está prevista a construção de estabelecimentos escolares e um centro educativo na Zona A dos Novos Aterros. Segundo Kong Chi Meng, os trabalhos do “Parque Escolar” estão a “decorrer sem problemas”, e as autoridades têm planos para construir mais passagens superiores para peões na zona, a fim de reduzir a pressão do tráfego causada quando os pais vão buscar os seus filhos à escola.