Edição do dia

Quarta-feira, 21 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
22.9 ° C
24.9 °
22.9 °
88 %
2.1kmh
40 %
Qua
23 °
Qui
23 °
Sex
21 °
Sáb
21 °
Dom
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Economia Cientistas chineses desenvolvem novo potencial tratamento para a doença de Alzheimer

      Cientistas chineses desenvolvem novo potencial tratamento para a doença de Alzheimer

       

      Cientistas chineses desenvolveram um grânulo que poderá potencialmente tratar a doença de Alzheimer, de acordo com um estudo publicado na revista académica Nature Aging.

      A equipa de investigadores, liderada por Xu Chuanlai, professor da Universidade Jiangnan em Wuxi, província de Jiangsu, desenvolveu o grânulo usando a propriedade da quiralidade. A quiralidade consiste numa estrutura que não pode ser sobreposta à sua imagem espelhada, assim como as mãos esquerda e direita.

      “A quiralidade leva a algumas características distintas dos medicamentos, já que aqueles feitos com o mesmo conteúdo podem apresentar actividades distintas, devido a diferentes características de quiralidade”, disse Kuang Hua, professor da universidade e coautor do artigo, citado pelo Diário do Povo Online.

      Ratos de laboratório infectados com a doença de Alzheimer apresentaram uma melhoria significativa no comportamento após a ingestão do grânulo, refere a revista. O cérebro dos ratos também apresentou uma queda de quase 90% nos factores de neuroinflamação.

      Após transplantar a microbiota intestinal dos ratos tratados com grânulos para outros infectados com Alzheimer, a equipa descobriu que as funções cognitivas destes últimos também demonstravam sinais de recuperação.

      Usando marcação isotópica, a equipa descobriu que o grânulo, após entrar no intestino dos ratos, facilitou a metabolização do triptofano – um aminoácido essencial à vida – em ácido indolacético (IAA), que é capaz de entrar no cérebro, aliviando a inflamação e recuperando algumas funções neurológicas, refere a pesquisa.

      A equipa de investigadores acrescentou que a densidade do IAA entre soros e fluidos cerebrais de pessoas com doença de Alzheimer é significativamente menor do que em pessoas saudáveis da mesma faixa etária, sugerindo o papel que o IAA desempenhou no combate à doença.

      “Como as pessoas não conseguiram encontrar um medicamento que pudesse vencer completamente a doença de Alzheimer, a investigação ofereceu uma via potencial para o tratamento de doenças degenerativas, como é o caso da doença de Alzheimer”, disse Xu.

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau