Edição do dia

Quinta-feira, 29 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
14.9 ° C
14.9 °
14.9 °
77 %
8.8kmh
40 %
Qui
15 °
Sex
16 °
Sáb
14 °
Dom
20 °
Seg
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China Biden promete alternativa a empréstimos de infraestrutura e desenvolvimento liderados pela China

      Biden promete alternativa a empréstimos de infraestrutura e desenvolvimento liderados pela China

      O Presidente norte-americano, Joe Biden, recebeu líderes governamentais de países das Américas para uma cimeira económica, prometendo aumentar o investimento dos Estados Unidos na região, em parte para contrariar a influência da China.

       

      O chefe de Estado não mencionou especificamente a China nos seus comentários de abertura na primeira Cimeira de Líderes da Parceria das Américas para a Prosperidade Económica, mas aludiu abertamente ao país que emergiu como principal rival geopolítico dos Estados Unidos e que ofereceu empréstimos a países do hemisfério ocidental.

      “Queremos garantir que os nossos vizinhos mais próximos saibam que têm uma escolha real entre a diplomacia da ‘armadilha da dívida’ e abordagens transparentes e de alta qualidade para infraestruturas e desenvolvimento”, disse Biden. “Ao combinar o compromisso do Governo dos Estados Unidos de mitigar o risco de investimento com a agilidade do financiamento do sector privado, acreditamos que podemos proporcionar ganhos para os trabalhadores e famílias em toda a região”, acrescentou.

      Entre os outros temas discutidos na cimeira estão as migrações, as cadeias de abastecimento e os esforços orientados para a sustentabilidade ambiental.

      Participaram em eventos da cimeira, além de Biden, autoridades de Barbados, Canadá, México, Chile, Colômbia, República Dominicana, Costa Rica, Equador, Peru, Uruguai e Panamá.

      O evento foi anunciado no ano passado, na Cimeira das Américas em Los Angeles. O foco no comércio surge num momento em que a concorrência se intensifica entre os Estados Unidos e a China, as duas maiores economias do mundo.

      Biden, um Democrata, forneceu incentivos governamentais para a construção de infraestruturas nos Estados Unidos e para as empresas construírem novas fábricas. Mas após a pandemia de covid-19 ter perturbado a produção e o transporte marítimo global, tem havido também um esforço para diversificar o comércio e reduzir a dependência da indústria chinesa.

      Em 2022, os EUA exportaram 1,2 biliões de dólares (1,1 biliões de euros) em bens e serviços para outros países do hemisfério ocidental, de acordo com o representante comercial dos Estados Unidos. Também importou o mesmo valor em bens e serviços desses países, mas a maior parte desse comércio foi com o Canadá e México. Em contrapartida, os EUA importaram 562,9 mil milhões de dólares (524,3 mil milhões de euros) em bens e serviços da China no ano passado.

      A secretária do Tesouro, Janet Yellen, descreveu os objetivos do Governo de Biden num discurso na quinta-feira no Banco Interamericano de Desenvolvimento. Os EUA querem diversificar as cadeias de abastecimento com “parceiros e aliados de confiança”, uma estratégia que, segundo Yellen, tem um “enorme potencial benefício para impulsionar o crescimento na América Latina e nas Caraíbas”.

      Yellen – que fala regularmente sobre a sua estratégia de ‘friendshoring’ para aumentar a resiliência da cadeia de abastecimento, trabalhando principalmente com nações amigas, em oposição a rivais geopolíticos como a China – expôs a sua visão de novos investimentos dos EUA na América do Sul no banco de desenvolvimento.

      O Banco Interamericano de Desenvolvimento, que é o maior credor multilateral da América Latina, apoiaria novos projetos através de subvenções, empréstimos e novos programas, sendo que os EUA são o maior acionista do banco, com 30% dos direitos de voto.

      Cada vez mais, os decisores políticos norte-americanos têm manifestado preocupação com a influência da China nesse banco. Embora a superpotência asiática detenha menos de 0,1% dos direitos de voto, detém grande peso económico em alguns dos 48 países membros do banco. Lusa

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau