Edição do dia

Quarta-feira, 28 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
15.9 ° C
18.9 °
15.9 °
77 %
2.1kmh
40 %
Qua
20 °
Qui
21 °
Sex
17 °
Sáb
15 °
Dom
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade Helena de Senna Fernandes prevê total recuperação do turismo no próximo ano

      Helena de Senna Fernandes prevê total recuperação do turismo no próximo ano

       

      A chegada de visitantes já retomou cerca de 60% do nível pré-epidémico, e o número de turistas de Hong Kong superiorizou os 90% em relação a 2019. Helena de Senna Fernandes está optimista de que o turismo local possa recuperar totalmente no próximo ano. No entanto, segundo a directora dos Serviços de Turismo, os transportes continuam a ser obstáculos para o sector. A responsável assumiu que a capacidade de transporte aéreo não recuperou totalmente e é um “ponto de estrangulamento” de captação de turistas estrangeiros.

       

      A indústria de turismo de Macau deve receber uma restauração total no próximo ano, mas o problema da carência de transportes condiciona este processo, admitiu Helena de Senna Fernandes. A directora dos Serviços de Turismo (DST) afirmou que a recuperação total do desempenho turístico só pode ser alcançada depois de se resolver o obstáculo principal de transportes aéreos e terrestres.

      Helena de Senna Fernandes, numa entrevista dada ao canal Television Broadcasts Limited (TVB), de Hong Kong, apontou que a maior fonte turística de Macau continua a ser o interior da China, seguindo-se Hong Kong, enquanto os turistas internacionais representam menos de 10%. “As visitas de turistas internacionais a Macau não são as esperadas, sendo que a maior dificuldade é o facto de a capacidade do transporte aéreo não ter sido totalmente recuperada” em relação ao período antes da pandemia.

      “Não é possível que um piloto possa ser treinado hoje e estar pronto para assumir o cargo e trabalhar amanhã. Alguns [dos pilotos] podem precisar de formação novamente antes de serem colocados ao serviço. Tanto as companhias aéreas como os aeroportos precisam de tempo para recuperar. E penso que esse será o maior ‘ponto de estrangulamento’ para o ritmo da recuperação dos visitantes internacionais”, realçou.

      Além da capacidade dos aeroportos e dos voos, Helena de Senna Fernandes confessou que os problemas de transporte na cidade também afectam o progresso da retoma turística, frisando que muitos turistas se queixaram que era “difícil encontrar táxis” durante a época alta das férias de Verão.

      Helena de Senna Fernandes assegurou que as autoridades de transporte também “estão a trabalhar muito” para atenuar o problema actual da falta de transporte. “Por um lado, esperamos aumentar o número de táxis. Por outro lado, espero que todos possam tentar utilizar diferentes meios de transporte, como autocarros”, salientou.

      Reiterou que, no futuro, o desenvolvimento dos turistas estrangeiros é a prioridade dos trabalhos do organismo, destacando que vão rever periodicamente as necessidades de mão-de-obra da indústria. Nesse sentido, estima que a indústria do turismo de Macau possa recuperar totalmente em 2024.

      Além disso, a directora manifestou-se satisfeita com o desempenho global das actividades turísticas após a reabertura da cidade desde o início do ano, dado que Macau recebeu mais de 11,6 milhões de turistas no primeiro semestre, representando 60% do volume antes da pandemia, enquanto que a taxa de ocupação hoteleira deverá ultrapassar os 90% em Agosto.

      Ao enfatizar que são resultados “muito bons”, Helena de Senna Fernandes indicou que “os amigos de Hong Kong apoiam bastante Macau”, referindo que em Junho os números turísticos relacionados com a cidade vizinha superiorizaram os 90% em relação ao nível de 2019.

      A responsável, por outro lado, expressou a esperança do Governo de Macau tornar-se mais diversificado ao longo do seu desenvolvimento. Já o desenvolvimento das fontes turísticas do exterior é o “maior indicador chave de desempenho” (KPI, key performance indicator, em inglês) da referida diversificação. “Todos vêem que Macau está a acolher muitos concertos, ou actividades artísticas, até alguns eventos desportivos de renome”, acrescentou Helena de Senna Fernandes, defendendo que as autoridades atribuem grande importância à integração interdisciplinar do turismo.

      Recorde-se que o Executivo também exigiu o desenvolvimento de elementos não-jogo quando as seis concessionárias renovaram a sua licença de jogo no ano passado, tendo as operadoras prometido investir mais de 100 mil milhões nos próximos dez anos para desenvolver projectos do desporto, arte e turismo cultural.

       

      DST vai deixar de lançar pacotes promocionais de voos e hotéis no próximo ano

       

      As campanhas promocionais de voos e hotéis aos turistas de Macau deverão durar apenas até ao final deste ano, ficando os planos de desconto suspensos a partir do próximo ano. A informação foi afirmada pelo subdirector dos Serviços de Turismo (DST), Cheng Wai Tong, em declarações à Rádio Macau em língua chinesa. Recorde-se que o organismo reservou 650 milhões de patacas para diversas iniciativas destinadas a incentivar a retoma do sector turístico, incluindo pacotes promocionais de bilhetes de avião e alojamento. Cheng Wai Tong explicou que os descontos são medidas de curto prazo para estimular a recuperação. “Quando tudo voltar ao normal, os recursos serão usados para construir uma plataforma de promoção turística, formação, visitas de estudo e investir nos trabalhos promocionais de KOL (‘Key Opinion Leaders’)”, revelou Cheng, frisando que a DST, no próximo ano, continuará a realizar eventos de grande escala. Os turistas que visitam Macau também apresentam uma tendência de serem pessoas mais jovens e turistas individuais. Cheng Wai Tong indicou que as excursões turísticas representam apenas 4,5% dos turistas, sendo que esta fatia estava nos 20% antes da pandemia. “Após a epidemia, menos turistas querem viajar com estranhos e optaram por não participar em grupos turísticos”, apontou. Neste caso, o organismo criou conteúdos online, como dicas de viagens nas redes sociais, para os turistas as tomarem como referência.