Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
28.1 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
3.6kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioUncategorizedPraias e cenários de Verão em mostra de pinturas no pavilhão para...

      Praias e cenários de Verão em mostra de pinturas no pavilhão para jovens do Tap Seac

      Rachel Chan, Maggie U, Mandy Fu e Gigi Chao são quatro jovens pintoras da cidade que vão ter as suas obras expostas no pavilhão de exposições e espectáculos artísticos para jovens do Tap Seac a partir de hoje. “Quatro Verões” é promovido pela Associação Ark, e pretende “celebrar o Verão” até dia 6 de Agosto com estas pinturas “vibrantes e coloridas” de paisagens marítimas, animais e flora aquática.

       

      “Quatro Verões” é o título da mostra colectiva das obras de quatro artistas do território. Organizada pela associação de arte local ARK, a exposição vai estar patente no pavilhão de exposições e espectáculos artísticos para jovens do Tap Seac a partir de hoje. Com o apoio da DSEDJ, a exposição de duas semanas contará com as pinturas e ilustrações de Rachel Chan, Maggie U, Mandy Fu e Gigi Chao. Uma melancia, pássaros a voar, anémonas a flutuar no mar, e outras paisagens da natureza alusivas ao Verão estarão expostas nesta mostra de ilustrações, aguarelas, e pinturas a acrílico.

      Em nota, a organização referiu que a mostra de arte feminina, que é um Programa de “Art Power Jamming”, pretende revelar “as histórias por detrás das quatro jovens raparigas que são obcecadas por arte, beleza e imaginação”. Através das obras “vibrantes e coloridas”, as artistas pretendem expressar “o desejo pelo Verão”. A curadora da exposição, Pamela Chan, mostrou-se satisfeita por reunir as quatro artistas femininas numa única exposição para “celebrar este Verão”.  A organizadora partilhou a sua visão do processo artístico: “como artista, para conseguirmos criar melhores obras artísticas, é imperativo redescobrirmos qual foi a aspiração que despoletou o processo criativo, e procurar compreender melhor qual foi a nossa intenção inicial”. Nesse sentido, Pamela Chan espera que se consiga na exposição também descobrir “o mundo interior” das quatro pintoras, e “sentir a diversidade e o brilho do verão através desta exposição colectiva”.

      As quatro artistas, indicou ainda a mesma nota, pretendem partilhar “a paixão e busca por arte e cultura, e interagir com o público para explorar o significado e valor da arte e cultura na vida”. Fazendo votos para que a exposição consiga criar “bonitas memórias”, as pintoras estão convictas que a exposição vai enriquecer a experiência artística e cultural de todas.

      Influenciada desde jovem pelo contexto artístico da sua família, que sempre foi apreciadora de pintura e arte, a pintora Rachel Chan, que se especializou em aguarela e pinceladas delicadas, vai expor nove aguarelas alusivas ao “Verão abrasador”: flores a desabrochar, folhas de lótus a flutuar na água, pássaros, anémonas, caranguejos e sardinhas na praia, e até melancias, e asas de galinhas num churrasco. É através do uso de objectos e situações do quotidiano que Rachel Chan espera conseguir transmitir a “paixão e vitalidade desta adorável estação do ano”.

      Deixando de parte o estilo habitual a que recorre, com base no digital, e optando pelos lápis de cor, para esta mostra colectiva Maggie U decidiu mostrar a sua série “Sonho de Verão”, em que esta recorre a cores em tons pastel e linhas densas e suaves. As cinco ilustrações representam cenários oníricos, explorando paisagens como a vastidão do oceano, chamas abrasadoras, uma selva cheia de espinhos, ou flores exuberantes, algo que de acordo com Maggie U, são imagens que são ilustrativas da busca pela realização dos nossos sonhos e ambições. “Procurar os nossos sonhos é como estar a flutuar no mar, sem saber para onde vamos, mas, mesmo assim, continuando a ir em frente de forma corajosa.  Os espinhos são os nossos obstáculos, as chamas a paixão do nosso coração, e as flores, o momento em que o sonho se concretiza”, explicou a pintora. Nas suas obras há sempre presente um pequeno barco, símbolo do percurso pessoal, e uma linha que liga uma pintura à outra, numa representação do caminho contínuo em busca dos nossos objectivos, acrescentou ainda Maggie U na mesma nota.

      A terceira artista, Mandy Fu, originária de Hainão, seleccionou cinco pinturas em acrílico que retratam paisagens da sua terra natal. Através de linhas e cores simples, a artista pretende partilhar estas imagens de Hainão, e das experiências de infância que viveu com os seus avós. “Sempre que volta a casa, é uma viagem de volta as suas raízes”, e a pintura é uma forma de “reatar a ligação com a sua fonte de inspiração”, esclareceu a mesma nota. Mandy Fu, que gosta de trabalhar principalmente com acrílico, óleo e desenho, revelou ainda que recentemente frequentou um curso de construção de barcos em miniatura, e usou essa plataforma como exploração artística. Nesta mostra, a artista vai também mostrar o resultado desta nova experiência, com um barco de madeira a representar a sua viagem da terra natal de Hainão até à cidade de Macau, “tão culturalmente rica, e de fusão entre Oriente e Ocidente”, partilhou.

      Mais centrada na água, e na sua preferência pelos mares e praias, que estão “carregados de energia de Verão”, Gigi Chao é uma designer gráfica que vai apresentar cinco pinturas a acrílico alusivas ao mar. Os oceanos vastos e as misteriosas profundezas do mar simbolizam as suas experiências pessoais e percurso de vida, “que requerem uma exploração lenta, e uma descoberta das profundezas do seu coração, para alcançar os seus valores”, indicou a artista em nota. Apaixonada pelo desenho e pintura, Gigi Chao diz que a água, como fonte da vida, dá-lhe força e coragem para enfrentar as dificuldades.

      A Associação Ark afirma que a mostra colectiva das jovens promissoras pintoras ajuda a consolidar ainda mais o valor cultural e movimento artístico da cidade, e que esta exposição é “uma contribuição inestimável para a promoção das indústrias criativas e culturais do território”. “Quatro Verões” é de entrada gratuita e está na Praça do Tap Seac até ao dia 6 de Agosto. O pavilhão de exposições e espectáculos artísticos para jovens está aberto de terça-feira a domingo entre as 12h e 20h.