Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
27.9 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
4.6kmh
40 %
Dom
28 °
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeBurlas e especulação na venda de bilhetes de concertos levaram 74 casos...

      Burlas e especulação na venda de bilhetes de concertos levaram 74 casos à polícia em cinco meses

       

      As autoridades policiais receberam desde o início do ano um total de 74 casos suspeitos de burlas ou especulação na venda de bilhetes de concertos. O Gabinete do Secretário para a Segurança admite que a procura elevada de bilhetes para os espectáculos realizados em Macau fez aumentar a especulação e fraude com venda de bilhetes. O organismo considera que Macau pode tomar como referência as práticas das regiões vizinhas para adoptar o registo de nome dos compradores de bilhetes.

       

      O Gabinete do Secretário para a Segurança está atento ao aumento de casos relacionados com as burlas e especulação na venda de bilhetes de concertos, que se tornaram muito mais frequentes com a retoma de realização de espectáculos de artistas internacionais em Macau desde o início do ano.

      De Janeiro a Maio deste ano, as autoridades policiais receberam e instauraram investigação a um total de 74 casos suspeitos, incluindo 61 casos de burlas de compras online de bilhetes de concertos, nove casos de burlas com bilhetes falsos e quatro casos de especulação na venda de bilhetes “a preços ilegais”.

      “Com o total levantamento das restrições de entrada e saída, muitos cantores ou bandas de renome internacional vieram a Macau para realizar concertos este ano. A procura de bilhetes para concertos é maior do que a oferta, o que incentivou a especulação de bilhetes, ou até a burla com esquema de venda de bilhetes”, salientou o Gabinete do Secretário para a Segurança, em resposta a uma interpelação escrita apresentada pelo deputado Lam Lon Wai.

      O organismo assegura que a Polícia Judiciária (PJ) está a conduzir investigações aprofundadas dos casos relevantes, tendo criado uma equipa especial para realizar investigações conjuntas com as autoridades policiais do estrangeiro.

      Considerando que muitos esquemas foram cometidos através de plataforma online e transacções bancárias online, segundo o Gabinete, a PJ também vai recorrer a entidades policiais estrangeiras, por meio de cooperação policial internacional ou inter-regional, a fim de apuar a identidades dos titulares das contas das redes sociais e dos bancos envolvidos nas fraudes, de forma a descobrir o autor dos crimes.

      O Corpo de Polícia de Segurança Pública, citado pelo Gabinete do Secretário para a Segurança, disse que se mantém a cooperação com as operadoras de resorts integrados que acolhem concertos. Ou seja, os hotéis vão notificar de imediato a polícia caso descubram a venda não autorizada de bilhetes dentro das instalações e, no dia da realização de eventos, as autoridades enviarão agentes e polícia à paisana para inspecções junto do local.

      Recorde-se que o deputado Lam Lon Wai pediu na sua interpelação para se combater a situação de especulação na venda de bilhetes, notando que os preços da revenda de bilhetes podem atingir dezenas de milhares de patacas.

      O legislador apontou que “os burlões se aproveitam dos bilhetes de concertos como pretexto para a prática de burla” e, neste caso, “há residentes que sofrem prejuízos e há turistas que depositam grandes esperanças em assistir a concertos em Macau, mas acabam por ficar com uma imagem negativa, que afecta directamente a organização dos espectáculos e diminui a vontade dos turistas de vir a Macau”.

      O Gabinete de Wong Sio Chak adiantou que os crimes da especulação, de ataque em sistemas informáticos para obtenção de bilhetes e de burlas são puníveis ao abrigo da lei vigente, no entanto, disse que “para conter a especulação na venda de bilhetes, uma abordagem abrangente deve ser adoptada e não pode depender apenas na punição criminal”.

      “Diferentes regiões adoptaram diversos métodos não criminalizados para travar a especulação na venda de bilhetes, como o registo de nome de compradores de bilhetes, exigir que os organizadores melhorem modelos de venda e regulem rigorosamente a transferência de bilhetes, bem como aumentar a proporção de venda pública de bilhetes, que podem ser usados ​​como referência para Macau”, sublinhou.

      No que concerne à sugestão do deputado Lam Lon Wai sobre a revisão legislativa para haver mão pesada aos crimes relevantes, o Gabinete do Secretário para a Segurança não afastou a possibilidade e frisou que a polícia irá cooperar e prestar uma opinião profissional se as autoridades competentes realizarem trabalhos de revisão da lei relevantes.