Edição do dia

Terça-feira, 18 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
30.6 ° C
33.2 °
29.9 °
89 %
4.6kmh
40 %
Ter
31 °
Qua
31 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeSolução para ligação entre ciclovias da Taipa até ao fim do ano,...

      Solução para ligação entre ciclovias da Taipa até ao fim do ano, garante IAM

      Um parque desportivo “que reúna a prática desportiva, arborização, lazer e para pais e filhos” no antigo Canídromo, e uma “via verde” que percorre uma larga extensão da zona marginal de Taipa são algumas das instalações que o deputado Leong Sun Iok gostaria que ficassem concluídas. A do Canídromo ainda se encontra em fase de estudo preliminar; mas, pelo menos até ao fim do ano, será encontrada forma de conectar a zona de bicicletas em frente aos Ocean Garden, com a ciclovia a Sul do Cotai, garante José Tavares, presidente dos Instituto para os Assuntos Municipais.

       

      Será com a construção de uma ponte que se vai conseguir ligar a Zona de Lazer da Marginal da Taipa à Pista de Bicicletas Flor de Lótus? Ou haverá outra forma de concretizar a tão almejada rede de ciclovias referida no Projecto do Plano Director de 2020-2022? E a ligação à terceira zona, no Norte da Taipa, no troço que vai da ponte Nobre de Carvalho à Ponte da Amizade, como está a ser discutida e planeada? Foram estas e outras perguntas que o deputado Leong Sun Iok, da Federação das Associações dos Operários de Macau (FAOM), dirigiu ao Governo em interpelação escrita.

      O presidente do Instituto para os Assuntos Municipais (IAM), José Tavares, confirmou que estes projectos estão em bom andamento, que “já se chegou a um consenso com os serviços competentes” e que “com base nas situações actuais” se prevê que a obra no troço de ligação entre a ciclovia da zona Marginal da Taipa e a ciclovia Flor de Lótus fique decidida até ao fim do ano. No entanto, o terceiro troço, esse ainda não possui um plano de pormenor, e o IAM necessita de “continuar a recolher opiniões” e a colaborar com as devidas partes envolvidas, esclarece José Tavares.

      Quanto ao já anunciado parque desportivo no antigo Canídromo, Leong Sun Iok anseia por saber mais sobre a evolução do projecto, frisando que esta zona da cidade é a que tem maior densidade populacional, mas que “nas imediações há apenas um único complexo desportivo – o Centro Desportivo Mong Há – para uso público”. Do parque desportivo do Canídromo, “nada se viu ao momento”, aponta.

      O representante do IAM concordou que, de facto, o parque desportivo do Canídromo se situará no cruzamento de várias zonas com alta densidade, e que de momento os serviços das obras públicas estão a coordenar estudos sobre o planeamento preliminar, e a considerar as “características geográficas do projecto”.

      Recordando ao Governo que Hong Kong lançou em 2022 o seu Plano de Desenvolvimento de Projectos para Instalações Desportivas e de Lazer para os próximos 10 anos, e que Macau está prestes a concluir o seu inquérito das instalações desportivas, o deputado perguntou se Macau não deveria fazer o mesmo, e “elaborar um plano de desenvolvimento mais abrangente” dedicado às instalações recreativas e desportivas. José Tavares referiu apenas que até ao fim do ano, o dito “Inquérito das Instalações Desportivas de Macau” ficará concluído, e que o Instituto do Desporto “irá divulgar oportunamente o resultado do inquérito, e irá entregar as análises e sugestões obtidas através do inquérito aos serviços competentes para servirem de referência no futuro planeamento e construção das instalações desportivas de Macau”.

      Da troca de interpelações entre deputado e dirigente ficou ainda esclarecida uma última situação relativa ao uso do Centro Desportivo Olímpico, em que o deputado se queixou que o público apenas tem acesso a estas instalações entre as 6 e 8 da manhã, ao que José Tavares ripostou, esclarecendo que o Estádio destina-se principalmente aos treinos de instituições e escolas, que arrendam o espaço depois das 8 da manhã.