Edição do dia

Terça-feira, 25 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nublado
33.2 ° C
33.2 °
33.2 °
78 %
5.2kmh
99 %
Ter
33 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaBanco central chinês reduz taxa de juros para apoiar economia

      Banco central chinês reduz taxa de juros para apoiar economia

       

      O banco central da China baixou ontem a taxa de referência para empréstimos de médio prazo, uma medida antecipada pelos mercados e destinada a dar um novo impulso ao lento crescimento da segunda maior economia do mundo. A taxa de juros para os empréstimos de um ano a instituições financeiras foi reduzida de 2,75% para 2,65, disse o Banco Popular da China.

      A evolução desta taxa serve geralmente de referência para a taxa cobrada nos empréstimos dados por bancos a particulares, a empresas e no crédito à habitação. O ajustamento desta taxa é decidido no dia 20 de cada mês, sendo acompanhada de perto pelos mercados.

      A medida deve possibilitar a redução dos custos de financiamento dos bancos comerciais e incentivar a concessão de mais crédito em condições mais favoráveis para apoiar a economia chinesa. A última redução desta taxa aconteceu em Agosto de 2022. A medida deve permitir injetar 237 mil milhões de yuans na economia chinesa, de acordo com um comunicado do banco central.

      Para surpresa dos analistas, o banco central chinês já tinha reduzido, na terça-feira, a principal taxa de juros para empréstimos em dinheiro de curto prazo (sete dias) a bancos comerciais. A esperada recuperação económica, na sequência do levantamento, no final de 2022, das restrições impostas devido à pandemia da covid-19, perdeu força nas últimas semanas.

      A China tem apresentado indicadores económicos abaixo do esperado nos últimos dias. A inflação homóloga no país ficou perto de zero em maio, enquanto o índice de preços ao produtor, que mede os preços à saída das fábricas, teve a maior queda desde 2016, sinais de uma fraca procura e um ambiente complicado para os negócios.

      As exportações do gigante asiático, historicamente uma alavanca de crescimento para o país, contraíram 7,5% em Maio, em comparação com igual mês do ano anterior.

      Para estimular o consumo e desencorajar a poupança, os principais bancos estatais da China reduziram as taxas de uma série de produtos de depósitos na semana passada. O Governo chinês estabeleceu como meta um crescimento de cerca de 5% este ano, uma taxa que seria uma das mais fracas em décadas para o gigante asiático.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau