Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
27.9 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
4.6kmh
40 %
Dom
28 °
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeNúmero total de pessoas registadas para a doação de órgãos em Macau...

      Número total de pessoas registadas para a doação de órgãos em Macau é de 5.738

      O número foi revelado pelos Serviços de Saúde em resposta a uma interpelação de um deputado. As autoridades acrescentaram que desses, 4.086 já concluíram as formalidades presencialmente. Outro dos dados revelados mostra que, entre 2018 e 2022, a Junta para Serviços Médicos no Exterior encaminhou 15 doentes para fora do território, a fim de realizarem transplantes hepáticos, cardíacos ou renais.

      As autoridades sanitárias de Macau afirmaram que existem, no território, 5.738 pessoas registadas para a doação de órgãos, entre as quais 4.086 já concluíram as formalidades presencialmente. A revelação foi feita pelo director-substituto dos Serviços de Saúde, Cheang Seng Ip, em resposta a uma interpelação escrita do deputado da Assembleia Legislativa (AL) Ron Lam, que questionou o Executivo liderado por Ho Iat Seng sobre o ponto de situação dos processos de doação e transplante de órgãos.

      Na mesma resposta, os Serviços de Saúde garantiram que continuam a promover os trabalhos de doação e transplante de órgãos, tendo, em 2015, nomeado os membros da Comissão de Ética para as Ciências da Vida, e, em 2016, publicado os critérios, as regras e as directrizes para a certificação da morte cerebral, bem como instruções para as actividades de colheita e transplantação de tecidos ou órgãos humanos. A lei em vigor já reúne condições para se proceder ao registo e transplante de órgãos”, considera Cheang Seng Ip.

      De igual modo, para o desenvolvimento de transplantes de órgãos é necessário um doador e um receptor adequados, e os doentes que aguardam o transplante de órgãos necessitam de ter órgãos compatíveis para poder realizar a transplantação”, constatam os Serviços de Saúde. Como o universo populacional de Macau é limitado, a probabilidade de se obter órgãos adequados é relativamente baixa. Entre 2018 e 2022, a Junta para Serviços Médicos no Exterior dos Serviços de Saúde encaminhou 15 doentes para o exterior, a fim de realizarem transplantes hepáticos, cardíacos e renais, dentro dos quais nove obtiveram sucesso na transplantação, um desistiu por iniciativa própria, três não necessitam de se sujeitar à transplantação de órgãos após a avaliação realizada no hospital local, e os restantes dois estão à espera da transplantação”, referiu o director-substituto dos Serviços de Saúde

      A escassez de órgãos é um problema actual. Os Serviços de Saúde, recorda o responsável sanitário, “desenvolveram uma série de trabalhos de divulgação, incluindo a criação de um grupo de promoção de doação de órgãos, a criação de uma página electrónica específica e a distribuição de informações promocionais, de forma a incentivar a participação de um maior número de pessoas interessadas em se tornarem doadores”.

      Em 2016, recorda Cheang Seng Ip, os Serviços de Saúde realizaram com sucesso a primeira operação de transplante renal em Macau e, posteriormente, empenharam-se activamente na procura de fornecedores e receptores compatíveis para o desenvolvimento contínuo da respectiva operação, contudo não houve nenhum caso de compatibilidade. “Continuamos a prestar serviços de terapia alternativa aos doentes com insuficiência renal em fase terminal (hemodiálise e diálise peritoneal), a fim de assegurar a vida dos doentes, não se trata de um tratamento com natureza de primeiros socorros, nem há registo de casos de morte de doentes resultantes da não realização do transplante do órgão adequado”, sublinhou.

      Cheang Seng Ip apontou que a doação de órgãos refere-se à doação gratuita de órgãos e tecidos de boa função aos doentes que necessitam de transplantes de órgãos, após o diagnóstico profissional de morte cerebral, por forma a salvar a vida de doentes com falência de órgãos. Por isso, explicou ainda, “a certificação da morte cerebral é feita através de exames médicos rigorosos e profissionais, e a doação de órgãos de cadáveres depende da assinatura prévia do signatário ou do consentimento dos familiares e as respectivas informações estão disponíveis na página electrónica para a consulta dos cidadãos. Até ao momento, em Macau, não há registo de casos de transplantes de órgãos por parte de pessoas registadas após a determinação da morte cerebral.

      Em Novembro de 2017, disse ainda o mesmo responsável, Macau assinou, com o interior da China, uma carta de intenções de cooperação sobre a partilha de órgãos doados, com vista a promover a adesão ao sistema informático de distribuição e a partilha de órgãos humanos da China, a fim de ser elaborada uma lista de espera para transplantes de órgãos humanos em Macau. Em Macau, ainda está por resolver a questão de trânsito transfronteiriço de órgãos humanos, estando os Serviços de Saúde empenhados activamente na formação de pessoal, instalações e equipamentos, cooperação interdepartamental, entre outros trabalhos, no sentido de preparar bem o desenvolvimento do transplante de órgãos”, lamentou.