Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
28.1 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
3.6kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeFalta de voos e funcionários está a restringir indústria do turismo internacional...

      Falta de voos e funcionários está a restringir indústria do turismo internacional  

      Várias associações do turismo defendem que a frequência de voos internacionais e a falta de recursos humanos do sector continuam a afectar o ritmo do aumento dos visitantes estrangeiros em Macau. Os especialistas salientam ainda que o Governo e a indústria devem procurar inovar as atracções e produtos turísticos para atender às preferências dos diferentes grupos de turistas.

       

      Apesar da intensificação geral da vontade de viajar nos tempos pós-epidémicos, a retoma de turistas internacionais é limitada, e Andy Wu, presidente da Associação de Indústria Turística, considera que a disponibilidade de rotas internacionais está a restringir a vinda de mais visitantes a Macau. O responsável recordou que as autoridades têm feito muito trabalho na promoção do turismo desde que as restrições epidémicas foram quase totalmente relaxadas, sobretudo no reforço da atracção de turistas do estrangeiro. Porém, o número actual de visitantes internacionais que vêm a Macau “é pequeno”, afirmou.

      “Acredita-se que o problema não seja culpa dos trabalhos do Governo sobre a promoção, mas da ligação aérea. O serviço dos voos internacionais de Macau só recuperou até 50% em comparação com antes da pandemia”, disse, referindo o exemplo das rotas entre Macau e Japão e Coreia do Sul, com apenas um voo por dia.

      O preço dos voos é também um problema. Ao Jornal do Cidadão, Andy Wu apontou que as rotas dos países do Sudeste Asiático recuperaram relativamente rápido, com mais voos semanais, “mas o preço está mais de mil patacas mais caro do que no passado, o que desencoraja os turistas”, apontou.

      O responsável frisou que os visitantes estrangeiros, muitas vezes, chegam a Macau por via aérea, sugerindo neste caso que seja introduzida a cooperação com companhias aéreas de baixo custo para estabelecer ligações a Macau para acelerar o ritmo da retoma das rotas.

      Apesar de tudo, o representante do sector está confiante que o volume de turistas estrangeiros em Macau deverá crescer em Junho graças ao reforço contínuo da capacidade de transporte aéreo de Hong Kong, bem como das viagens de cruzeiros internacionais que chegam à região vizinha, quando os turistas vão visitar Macau durante a viagem.

      No mesmo âmbito, o presidente da Direcção da Associação dos Hoteleiros, Lou Chi Leong, voltou a assinalar que a insuficiência dos funcionários no sector fez limitar a eficácia de atracção das visitas dos estrangeiros. Já a formação profissional do pessoal e qualidade de serviços também preocupam a indústria.

      Lou Chi Leong prevê a chegada de mais turistas europeus no futuro depois da visita do Chefe do Executivo a Portugal, no mês passado. Segundo o mesmo, Macau tem instalações turísticas bem equipadas, mas é importante ter mão-de-obra suficiente e qualificada. “O Governo quer expandir o mercado internacional, isso requer o reforço da formação dos profissionais do turismo, incluindo os trabalhadores hoteleiros, de restauração e de retalho, em termos de capacidade de comunicação linguística, conhecimento cultural e de recepção de turistas”, observou.

      O especialista do sector lembrou que Macau está a procurar inverter a sua imagem turística anterior de cidade para jogo de fortuna e azar, sendo que, actualmente, os jovens turistas tornaram-se a fonte principal dos turistas em Macau, pelo que novos projectos, actividades e espectáculos devem ser lançados continuamente para manter a atractividade de Macau.

      Por seu turno, Nelson Kot, ex-candidato a deputado e presidente da Associação de Estudos Sintético Social, mostrou-se preocupado com a falta de recursos de turismo no território, sendo que é difícil convencer os turistas da Europa e dos Estados Unidos a visitar Macau durante dois ou três dias no pressuposto de apanharem os voos de longo-curso, “particularmente quando os preços de hotel disparam durante os feriados”, realçou.

      Nelson Kot considera que a realização de grandes eventos poderia ser uma solução. Na sua opinião, além de aproveitar o Torneio de Campeões WTT e da Liga das Nações de Voleibol Feminino em Macau, recomenda a introdução das provas de rugby, basquetebol, futebol e outros desportos internacionais, captivando os turistas internacionais com a presença de equipas desportivas mundiais de alta qualidade.