Edição do dia

Terça-feira, 7 de Fevereiro, 2023
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
17.9 ° C
19.9 °
17.9 °
94 %
1kmh
40 %
Ter
22 °
Qua
19 °
Qui
20 °
Sex
20 °
Sáb
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Desporto Guarda-redes Juan Castro regressa a Macau e assina pelo Monte Carlo

      Guarda-redes Juan Castro regressa a Macau e assina pelo Monte Carlo

      O luso-brasileiro regressa pela terceira vez ao território para representar as cores dos canarinhos, depois de ter vestido as cores do Benfica de Macau e do Chao Pak Kei. Ao PONTO FINAL, o atleta de 33 anos referiu estar pronto mais este desafio, com vontade de voltar a seu campeão, “e se possível” fazer a dobradinha.

      O guarda-redes luso-brasileiro Juan Castro está de volta a Macau para defender as cores do Monte Carlo na edição deste ano da Liga de Elite. Numa altura em que as fronteiras se abrem, depois do relaxamento das restrições anti-pandémicas, o jogador de 33 anos, que não conta como estrangeiro, abraça mais um projecto no território. “Venho para o Monte Carlo para lutar por algo maior, pelo título. Com a experiência que o plantel tem e depois daquilo que a equipa fez no ano passado, acho que é possível”, começou por dizer Juan Castro ao PONTO FINAL

      O experiente atleta considera que ainda tem muito para dar ao futebol, apesar de admitir que muito dificilmente volte a sair de Macau nos próximos anos. “Ainda pretendo jogar mais uns anos, mas tenho a noção que, a não ser que surja algo muito bom, muito fora, vou continuar por Macau. Na verdade, quero mesmo criar raízes por aqui”, assumiu, revelando que voltou para Macau para abraçar o projecto Ivo10 Brazil, trabalhando na formação de crianças possíveis futebolistas.

      Juan Castro lamenta que, por causa da Covid-19, tenha ficado quase três anos sem competir, até porque como o seu passe era internacional, nenhum clube em Portugal ou no Brasil, por exemplo, se mostrou disponível para pagar. No entanto, com a abertura das fronteiras, o jogador considera que Macau “pode voltar a ser, pelo menos, o que era”. “Agora não há desculpas para os clubes de Macau. Têm de voltar a apostar para tornar o campeonato mais forte”.

      Natural de Brasília, capital do Brasil, Juan Castro cresceu em Portugal. Foi formado no Oeiras onde esteve desde idade infantil até aos seniores. Em 2009 assinou contrato com o Mafra onde evoluiu dois anos. Em 2012, chegou a Macau para defender as cores do Benfica local, que havia chegado à Liga de Elite pela primeira vez no seu historial e apostou tudo. Juan Castro acabou, aos 24 anos, por ser campeão local e finalista vencido da Taça de Macau em 2013 numa equipa onde evoluíam igualmente Filipe Duarte, Fábio Silva, Edgar Teixeira, Jorge Tavares, Bruninho, Jardel, Fabrício e Pio Júnior, entre outros.

      Partiu para outras paragens e, de 2014 e 2015, jogou no Brasil, onde defendeu as camisolas do Sport Capixaba de Colatina, no estado do Espírito Santo, e do Arraial do Cabo, no Rio de Janeiro.

      Nos últimos meses de 2015 apostou tudo em Portugal e assinou contrato com o Eléctrico de Ponte de Sor, no Alentejo. No ano seguinte, foi para o Algarve, e assinou pelo Farense, numa equipa que chegou a ser treinada por Lázaro Oliveira, actual seleccionador de futebol de Macau, mas a concorrência era feroz e Juan Castro desvinculou-se dos algarvios para tentar a sorte em Espanha, ao serviço do CD Boiro, na ápoca de 2017/2018.

      O regresso a Macau fez-se em 2019 onde foi dono e senhor da baliza do Chao Pak Kei e, inclusive, tendo-se tornado campeão da Liga de Elite nesse mesmo ano, desta vez num elenco onde pontificavam Diego Patriota, Danilo Lins, Bruno Figueiredo, Ronald Cabrera, Silva e Maronesi, entre outros.

      Estava tudo alinhado para continuar por mais alguns anos no CPK, quando a pandemia de Covid-19 lhe pregou uma rasteira, obrigando o atleta a ficar retido na China por alguns anos, sem jogar. Depois de ter conseguido voltar a Portugal, aguardou por alguma proposta interessante, mas o facto de ter permanecido tanto tempo sem competir não o ajudou. Surgiu agora o Monte Carlo.