Edição do dia

Sexta-feira, 19 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
28.3 ° C
28.9 °
26.5 °
79 %
9.3kmh
40 %
Sex
28 °
Sáb
28 °
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
26 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeTaxa de suicídio com tendência de crescimento anual

      Taxa de suicídio com tendência de crescimento anual

      Os Serviços de Saúde anunciaram os resultados da monitorização realizada durante o terceiro trimestre deste ano e os dados não são nada animadores. Foram cometidos 18 suicídios, nove de pessoas do sexo masculino e outros tantos do sexo feminino, com idades compreendidas entre os 24 e 91 anos, de entre os quais, 17 são residentes de Macau. As autoridades lembram que quem tem problemas emocionais “deve recorrer à assistência e aconselhamento profissional”. As principais e possíveis causas de suicídio “são as doenças mentais, as doenças crónicas ou fisiológicas”.

      O número de suicídios no terceiro trimestre deste ano aumentou em comparação com o ano passado. Dados revelados ontem pelos Serviços de Saúde mostram que, de acordo com a monitorização efectuada pelas autoridades às causas de morte relacionadas com suicídio e registadas em Macau, foram cometidos 18 suicídios, nove indivíduos do sexo masculino e nove do sexo feminino, com idades compreendidas entre os 24 e 91 anos, de entre os quais, 17 são residentes de Macau (94,4%) e dois são não residentes (5,6%).

      Dizem as autoridades sanitárias do território que estes dados revelam “uma diminuição de um caso em comparação com o último trimestre”, mas, ainda assim, representam “um aumento de dois casos em relação ao período homólogo do ano passado”. De acordo com a análise dos dados, neste trimestre, as principais e possíveis causas do suicídio são as doenças mentais, as doenças crónicas ou fisiológicas.

      Na mesma nota em que divulgam os resultados à monitorização dos suicídios na RAEM, os Serviços de Saúde apelam que “uma prevenção eficaz do suicídio requer a atenção de todos, ainda que todos precisem ser participar activamente em papel de defensores para prevenir o suicídio”. “Para ajudar a reduzir a incidência de suicídio, os residentes devem contactar, comunicar e preocupar-se mais com as pessoas que estão ao seu redor, com as suas vidas diárias e incentivar aqueles que estão com problemas emocionais a procurar activamente ajuda profissional”, lembram as autoridades.

      Actualmente, o Governo disponibiliza à população serviços de saúde mental “altamente acessíveis”, podendo os residentes, sem carta de transferência, “efectuar a marcação prévia para terem acesso a esses serviços nos centros de saúde do Tap Seac, do Fai Chi Kei, da Areia Preta, da Ilha Verde, dos Jardins do Oceano, de Nossa Senhora do Carmo – Lago, da Praia do Manduco e de Seac Pai Van”.

      Ao mesmo tempo, as autoridades sanitárias do território garantem continuar a apoiar associações locais sem fins lucrativos como a União Geral das Associações dos Moradores de Macau ou a Associação Geral das Mulheres de Macau, entre outras, “a criar entidades de aconselhamento psicológico comunitário, proporcionando cuidados de aconselhamento psicológicos gratuitos aos residentes”, não esquecendo que existe à mercê de todos a Linha Aberta “Esperança de vida da Caritas” através do número 28525222 para obtenção de serviços de aconselhamento emocional.

      Segundo a Organização Mundial da Saúde, em 2019 foram registados a nível mundial mais de 700 mil suicídios, o que representa que uma em cada 100 mortes seja um caso de suicídio. Mesmo que as causas do suicídio sejam complexas e frequentemente envolvam doenças mentais, factores psicológicos, factores socioeconómicos, factores familiares, factores de relações humanas ou factores genéticos biológicos, vale a pena ressaltar que o suicídio pode ser evitado e é muito importante que todos os sectores da sociedade se unam na prevenção do suicídio”, consideram os Serviços de Saúde.

      Recorde-se que, recentemente, um estudo da Universidade de Macau (UM) concluiu que as inúmeras restrições pandémicas e confinamentos não afectam negativamente apenas a economia da região. “Medidas rigorosas de encerramento teriam um impacto profundo na manutenção dos laços sociais e na acessibilidade da educação e dos serviços médicos, e podem aumentar os riscos de conflitos familiares, depressão, ansiedade ou mesmo suicídio, juntamente com outras perturbações mentais graves”, pode ler-se na conclusão do estudo dos académicos da UM, acrescentando que “um confinamento total iria deixar a população envelhecida de Macau sem os cuidados de saúde adequados.