Edição do dia

Quarta-feira, 22 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
24.7 ° C
24.9 °
24.3 °
94 %
3.1kmh
40 %
Ter
25 °
Qua
25 °
Qui
26 °
Sex
27 °
Sáb
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioEconomiaMoody’s revê notação da Fidelidade Macau em baixa, com perspectiva negativa ...

      Moody’s revê notação da Fidelidade Macau em baixa, com perspectiva negativa  

      A mudança de avaliação da seguradora está intimamente ligada à revisão em baixa da Fosun, devido a um fraco perfil de liquidez da empresa e ao elevado risco de refinanciamento devido ao ambiente desafiador de financiamento nos mercados de títulos ‘onshore’ e ‘offshore’. AO PONTO FINAL, o presidente da Comissão Executiva da Fidelidade Macau, Paulo Barbosa, mostrou-se tranquilo com a alteração da Moody’s, até porque “o perfil de crédito autónomo permanece sólido, reflectindo a forte rentabilidade e capitalização de subscrição da seguradora, bem como a alocação prudente do investimento”.

       

      A companhia de seguros Fidelidade Macau viu o seu rating ser rebaixado de A3 para Baa1 pela agência de notação financeira Moody’s. A revisão em baixa, com perspectiva negativa, surge depois da revisão, também em baixa, do grupo Fosun – onde a seguradora está integrada – “reflecte o fraco perfil de liquidez da empresa e o elevado risco de refinanciamento devido ao ambiente desafiador de financiamento nos mercados de títulos ‘onshore’ e ‘offshore’”, pode ler-se no relatório da agência norte-americana, com sede em Nova Iorque.

      Em declarações ao PONTO FINAL, o presidente da Comissão Executiva da seguradora mostra-se tranquilo, apesar de considerar que “estas nunca são notícias positivas”. Para Paulo Barbosa, a Moody’s deixou em claro que, autonomamente falando, “o perfil de crédito autónomo da Fidelidade Macau permanece sólido, reflectindo a forte rentabilidade e capitalização de subscrição da seguradora, bem como a alocação prudente do investimento”.

      De acordo com a agência de notação financeira, os pontos fortes da Fidelidade Macau “são ainda compensados ​​pela concentração geográfica da seguradora na RAEM, por a China, enquanto país, ter uma avaliação estável (Aa3) e por uma presença moderada no mercado”. Apesar disso, acrescenta a Moody’s, “a alta alavancagem de dívida da Fosun e a fraca liquidez continuarão a restringir a flexibilidade financeira da seguradora”.

      A perspectiva negativa da Fosun (de Ba3 para B1) “reflecte as incertezas em torno da execução da venda de activos e captação de recursos da empresa em relação ao vencimento da dívida de curto prazo considerável nos próximos 12 meses, e aos desafios contínuos em equilibrar as suas necessidades de liquidez e manter a qualidade de sua carteira de investimentos”, escreve ainda a Moody’s.

      O problema da Fidelidade Macau é que o rating da seguradora “reflecte principalmente os crescentes riscos de contágio devido ao perfil de crédito enfraquecido da Fosun”, nota a agência de crédito. Paulo Barbosa concorda. “Pertencemos ao grupo Fosun e, por isso, não podemos fugir a isto. Possivelmente, e apesar de estarmos fortes autonomamente, poderemos vir a perder alguns negócios, devido a este perigo de contágio e perda de reputação”, explicou, acrescentando que para o mercado, a Fidelidade Macau ainda está “muito identificada” com a Fidelidade Portugal “e o rating por lá não está a ser afectado”.

      Estes possíveis riscos de contágio, escreve ainda a Moody’s, persistem apesar das medidas de contenção em vigor que salvaguardam os recursos financeiros da Fidelidade Macau. A agência de notação norte-americana considera os riscos de liderança sob a sua estrutura ambiental, social e de governança um factor chave da acção de rating de hoje, dada a propriedade indirecta da Fidelidade Macau pela Fosun e o potencial impacto dessa propriedade no perfil da empresa.

      Assim, “a perspectiva negativa da Fidelidade Macau está em linha com a perspectiva de rating da Fosun para reflectir as incertezas em torno da extensão do contágio no crescimento do negócio da Fidelidade Macau e flexibilidade financeira dos desafios contínuos da Fosun nas suas necessidades de liquidez e pressão de refinanciamento”.

      A Moody’s considera ainda que, dada a perspectiva negativa, uma actualização é improvável. No entanto, o rating e a perspectiva poderão ser alterados para estáveis se, por exemplo, “a perspectiva de rating da Fosun regressar a estável, ou a participação da Fidelidade Macau for vendida a um comprador com um perfil de crédito muito mais forte do que a Fosun, ou, ainda, os riscos de contágio da Fosun não aumentarem ainda mais”.

       

      PONTO FINAL