Edição do dia

Terça-feira, 7 de Fevereiro, 2023
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
17.9 ° C
19.9 °
17.9 °
94 %
1kmh
40 %
Ter
22 °
Qua
19 °
Qui
20 °
Sex
20 °
Sáb
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Parágrafo Parágrafo #78 NAVEGAR É PRECISO

      NAVEGAR É PRECISO

      https://www.kulemba.org

      Com sede na Beira, em Moçambique, a Kulemba é uma associação que se dedica à promoção da leitura. As suas actividades são muito vocacionadas para os mais novos, mas não deixam de dedicar atenção às outras faixas etárias, procurando espalhar o gosto pela leitura, a circulação de livros e, indirectamente, o próprio mercado editorial e livreiro. O livro, em Moçambique, é um produto demasiado caro para a maioria dos cidadãos, pelo que a aposta nesta circulação de livros, através das bibliotecas públicas, mas também dos Clubes do Livro, dos encontros de leitura e de outras actividades informais, é essencial para dinamizar o livro e a leitura.

      Para além da Feira do Livro da Beira e do Festival do Livro Infantil da Kulemba, a  associação publica a revista bimestral Soletras, dirigida por Dany Wambire e disponível gratuitamente em formato PDF, acompanhando a sua edição em papel. Percorrer os números disponíveis permite conhecer o panorama do livro em Moçambique, sobretudo fora da capital, Maputo (que não deixa por isso de ser referida). Como se lê no primeiro número da revista, num artigo que dá conta do trabalho da editora Fundza, da Beira, há outras cidades a darem cartas na dinamização do livro moçambicano e importa não as perder de vista: «A Fundza é mais um passo para a colocação da Beira no mapa editorial. Esta cidade que já nos deu grandes auto- res e foi cenário para grandes livros. É só pensar na obra de memórias Ponta Gea, de João Paulo Borges Coelho, ou no romance O Mapeador de Ausências, o último romance de Mia Couto, também ele nascido na Beira. Para o ensaísta Martins Mapera, que publicou pela editora Cinzas de Cão (2018), o surgimento da Fundza é como que a cumprir este caminho cultural e literário que caracteriza a história da cidade da Beira e da província de Sofala, quebrando o que chama de “proto- colo civilizacional” baseado em Maputo. “É uma reivindicação positiva, como que a dizer que o país não é Maputo, as outras províncias também precisam de ler e de ter acesso ao livro”. »

      No último número, acabado de publicar, a Soletras percorre vários lançamentos editoriais recentes, reflecte sobre alfabetização e promoção da leitura infantil e juvenil e entrevista Juvenal Bucuane, o escritor que lançará em Setembro o seu novo romance, MASINGITA ou a subtileza do incesto (Fundza), focado num tema que, por ser tabu, não se discute tanto como faria falta.

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau