Edição do dia

Sexta-feira, 12 de Agosto, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
26.9 ° C
27.1 °
25.9 °
89 %
2.6kmh
20 %
Sex
28 °
Sáb
30 °
Dom
30 °
Seg
30 °
Ter
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Economia Chan Chak Mo diz que apresentação de resultado de testes afecta...

      Chan Chak Mo diz que apresentação de resultado de testes afecta operações dos restaurantes

      Chan Chak Mo reconheceu que a apresentação de resultado negativo do teste de ácido nucleico para comer nos restaurantes vai certamente afectar as operações na indústria. O presidente da União das Associações dos Proprietários de Estabelecimentos de Restauração e Bebidas de Macau alertou para a carência de mais orientações concretas realizadas pelo Governo, esperando, entretanto, pelo levantamento de mais restrições após o período de estabilidade. O deputado destacou ainda a importância de circulação transfronteiriça normal com o Continente para a sobrevivência do sector.

       

      A exigência da apresentação do certificado negativo de teste de ácido nucleico, realizado nos últimos três dias, para consumo de comida e bebidas dentro dos estabelecimentos vai de certeza ter impacto na retoma e no funcionamento da indústria da restauração, admitiu Chan Chak Mo, considerando que a medida é “relativamente complicada” para implementar na prática.

      O presidente da União das Associações dos Proprietários de Estabelecimentos de Restauração e Bebidas de Macau salientou que a execução da medida, nomeadamente a verificação dos resultados negativos de teste com validade de 72 horas, aumenta o encargo de trabalho para os funcionários da linha da frente dos restaurantes.

      De acordo com o também deputado, embora tenha sido anunciado o levantamento das restrições, o sector ainda não possui informação muito completa sobre a execução das medidas, como, por exemplo, a competência de fiscalização sobre o assunto, bem como as disposições sancionatórias caso existam falhas na verificação do certificado de teste.

      “Como assegurar que os funcionários sabem como verificar o resultado negativo do teste? Como será fiscalizada a situação?”, questionou Chan Chak Mo, frisando que a indústria ainda está a aguardar por mais orientações emitidas pelo Governo para o funcionamento durante o período de estabilidade. “Além do certificado do teste de três dias, qual é a capacidade máxima dos estabelecimentos? Como limitar o número de clientes, a distância entre eles e se é necessário instalar separadores nas mesas? Não foram todos informados”, disse.

      Citado pelo All About Macau, Chan Chak Mo destacou que, apesar dos impactos na retoma da operação dos comerciantes, a indústria entende que as exigências são formuladas de acordo com a evolução pandémica, pelo que o sector vai continuar a cooperar com as medidas relevantes, sendo que “o combate contra a epidemia mantém-se como a prioridade da sociedade” mesmo depois de vigorar o período de estabilidade.

      “A indústria tem entrado em comunicação com o Governo sobre as medidas antiepidémicas. O Governo entende perfeitamente a situação de cada indústria, mas a prioridade é sempre combater a epidemia. Sejamos honestos, se ainda se registarem mais surtos, até falar na passagem fronteiriça com o interior da China será inútil”, asseverou o também membro do Conselho Executivo, manifestando, no entanto, a esperança de que sejam levantadas ainda mais restrições após o período de estabilidade, nomeadamente revogar a exigência de mostrar o certificado de teste.

      A RAEM entrou ontem no período de estabilidade. Com o actual baixo risco de transmissão de vírus, as autoridades anunciaram o levantamento das medidas relativas ao encerramento dos estabelecimentos de entretenimento, como cinemas, salões de beleza e ginásios, permitindo o consumo de comidas e bebidas no interior dos estabelecimentos, apresentando o resultado de teste de ácido nucleico.

      Segundo Chan Chak Mo, devido às restrições de circulação transfronteiriça, muitos residentes apenas podem permanecer e consumir no território, prevendo que o volume de negócio possa registar uma recuperação gradual nos restaurantes que se situam nas zonas habitacionais.

      Contudo, a situação tem sido pior para os estabelecimentos de comida nas zonas turísticas, sendo que muitos deles estão com operação suspensa. “Sei que alguns já fecharam o negócio”, confessou, referindo que estes restaurantes “devem sofrer mais porque não há visitantes a virem a Macau, como nas imediações das Ruínas de São Paulo, Rua do Cunha e até nos casinos”, lamentou.

      Chan Chak Mo considera que o essencial é a recuperação do turismo, dado que caso Macau continue a ser afectado pela epidemia e não tenha uma passagem fronteiriça normal com o interior da China, a economia local pode apenas depender do consumo interno. “Enquanto o problema dos visitantes não for resolvido, por mais que a assistência económica seja prestada, o apoio do Governo é só de curto prazo. O sistema económico de Macau envolve bastantes sectores que precisam de negócios com turistas. Se o número de visitantes fica a zero, muitas indústrias não vão conseguir suportar a situação”.

       

      PONTO FINAL