Edição do dia

Sábado, 13 de Agosto, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
26.9 ° C
27.1 °
25.9 °
89 %
2.6kmh
20 %
Sex
28 °
Sáb
30 °
Dom
30 °
Seg
30 °
Ter
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Economia Negócios portugueses em Macau nos ‘cuidados intensivos’ lutam para não morrer da...

      Negócios portugueses em Macau nos ‘cuidados intensivos’ lutam para não morrer da cura

      Empresários portugueses em Macau disseram à Lusa que estão a lutar pela sobrevivência dos negócios face às medidas mais apertadas de controlo da pandemia de covid-19, que seguem a política de ‘casos zero’ de Pequim.

       

      “Não morremos da doença, vamos morrer da cura”, desabafou Nelson Rocha, do restaurante Mariazinha, num momento em que Macau está em estado de prevenção imediata, a insistir em quarentenas e com zonas da cidade isoladas, apostando na testagem massiva da população para controlar um surto local que se traduziu na detecção de centenas de casos numa só semana. “Já estávamos pela hora da morte, agora foi pior. Estamos há dois anos e meio a perder dinheiro todos os meses. Estamos a ponderar fechar o restaurante, porque não temos dinheiro para pagar ordenados e rendas”, sublinhou o português.

      Se no mês passado existiam alguns sinais que podiam alimentar a esperança de aguentar até Outubro, a decisão de há uma semana de decretar o fecho dos restaurantes para apenas lhes permitir vender comida para fora “é a última facada”, lamentou. “São medidas muito pesadas. Macau foi impecável no início, em 2020. Havia que preparar hospitais, esperar pela vacina, por um tratamento adequado. Mas agora, este vírus é como uma gripe e nós estamos aqui a tentar fazer uma coisa que não faz sentido”, insistiu, para concluir: “Não se consegue ver a luz ao fundo do túnel”.

      Para o presidente da Macau Meetings, Incentives and Special Events (MISE) “enquanto a China não mudar de estratégia não há volta a dar”. “Para nós, isto é um acumular de más notícias. Agora cancelaram-nos tudo e o mercado é cada vez mais pequeno”, explicou o empresário português Bruno Simões, ligado à indústria de eventos.

      A dimensão internacional tinha-se perdido já em 2020, mas ao longo destes dois anos e meio “o mercado chinês mostrou-se cada vez mais volátil e arriscado”, contextualizou. E agora “isto veio confirmar o que já todos suspeitavam: que qualquer dia chegava o vírus e que organizar um evento implicava assumir grandes riscos”, acrescentou.

      Susana Diniz está à frente de um centro de formação desde 2019, o último ano pré-pandemia. Apesar de a sua actividade ter sido quase sempre marcada pelas restrições, com constantes recuos e avanços das medidas restritivas das autoridades, explicou que não há forma de se habituar a esta indefinição.

      “Desde domingo que mandaram fechar as portas, o que tem impacto directo no meu negócio”, com a inevitável perda de alunos, mesmo com a aposta no ‘online’. “Não me parece que a situação fique resolvida tão depressa e não sei se será possível salvar seja o que for”, lamentou, lembrando que em 2020 fechou as portas do centro durante cinco meses e por três vezes em 2021. “Começa-nos a faltar forças para lutar contra isto, porque vivemos dos clientes e sem eles não há negócios. Começa a faltar forças para recomeçar. Sem alunos não faço nada, mesmo que tenha o melhor produto do mercado. Eu, quando vou para casa sem fazer nada, não tenho ordenado”, notou.

      Susana Diniz preparou o centro para as actividades do Verão e abdicou das férias em Portugal “para salvar o negócio” e, de repente, surgiram “estas medidas desproporcionadas, que não resolvem nada, a fechar prédio sim, prédio não, com testes todos os dias”, salientou. “As regras que temos são essas, mas já não parece que seja muito lógico, tendo em conta o que se passa no mundo”, frisou.

      O proprietário de “A Petisqueira” parece estar a ver “todo o filme outra vez”, depois de no início de 2020 os restaurantes, em desespero, terem fechado portas numa resposta à paralisação da economia, às ruas desertas de pessoas, refugiadas em casa. O mesmo filme, “mas para pior”, atreveu-se a descrever. “As coisas estão muito complicadas. É só despesa com fornecimento, rendas, pessoal, que não despedi ninguém, e depois sai esta bomba. E não entra nada”, destacou. Nem clientes, nem dinheiro.

      O restaurante voltou a fechar. Experimentou alguns dias manter as portas abertas com a venda de comida para fora, mas a procura foi tão reduzida que pensou que ganhava mais em encerrar o espaço. “Sentimo-nos como se tivéssemos a corda na garganta”, resumiu, após regressar de um dos locais onde as autoridades organizam aquela que é a terceira testagem massiva a toda a população numa só semana.

      Macau enfrenta o pior surto desde o início da pandemia. As autoridades fecharam serviços públicos e grande parte dos estabelecimentos comerciais. As autoridades continuam a exigir quarentenas à entrada e está a procurar quebrar as cadeias de transmissão com a testagem massiva da população, assim como com o isolamento de algumas zonas da cidade. Milhares de pessoas estão em quarentena e as pessoas são aconselhadas diária e insistentemente a ficarem em casa e a só saírem se for “estritamente necessário”. O final do ano lectivo escolar foi antecipado.

      Até ao início do actual surto, Macau tinha detectado apenas 83 casos de covid-19 e não registou qualquer morte ligada ao novo coronavírus. No actual surto local, somente um dos casos é considerado grave, mas estável. Lusa

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau