Edição do dia

Quinta-feira, 30 de Junho, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
aguaceiros fracos
26.9 ° C
31 °
26.9 °
94 %
5.1kmh
40 %
Qui
28 °
Sex
29 °
Sáb
28 °
Dom
29 °
Seg
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China Último governador de Hong Kong critica omissões à designação de colónia britânica

      Último governador de Hong Kong critica omissões à designação de colónia britânica

      O último governador britânico de Hong Kong, Chris Patten, criticou ontem a tentativa de o regime chinês rescrever a história ao referir-se àquele como “um território ocupado” em vez de uma colónia britânica com uma sociedade democrática.

      “Se foi ocupado, foi por refugiados e familiares de vítimas do totalitarismo no continente”, disse ontem em Londres o último governador britânico de Hong Kong, Chris Patten, numa apresentação do livro “Diários de Hong Kong” para a Associação de Imprensa Estrangeira. Patten argumentou que foi por ser uma sociedade aberta e livre, que respeitava o Estado de direito, que Hong Kong se tornou num dos maiores centros económicos e financeiros da Ásia. “A ocupação foi por refugiados que encontraram um porto seguro na antiga colónia, a qual tornaram numa das mais bem sucedidas cidades do mundo”, defendeu.

      Foi noticiado na semana passada que Hong Kong está a preparar a introdução de novos manuais escolares onde, em vez de se referir ao território chinês como uma antiga colónia britânica, se refere que Hong Kong e Macau foram ocupadas por potências estrangeiras e que a China nunca renunciou à soberania sobre ambos. “Hong Kong é território chinês desde os tempos antigos”, lê-se num novo livro analisado pela agência Associated Press, o qual também afirma que “enquanto Hong Kong foi ocupada pelos britânicos após a Guerra do Ópio, permaneceu território chinês.”

      O livro faz parte de uma série de novos manuais escolares com a mesma posição e que estão a ser oferecidos às escolas para substituir os atualmente em uso, noticiou o jornal South China Morning Post.

      A posição de Pequim não é nova, mas reforça a tentativa de aumentar o controlo sobre Hong Kong, após as manifestações pró-democracia em 2019. A China assumiu a administração de Hong Kong em 1997, atribuindo à antiga colónia britânica o estatuto de Região Administrativa Especial durante 50 anos, à luz do princípio “um país, dois sistemas”, com um elevado grau de autonomia. O Governo chinês atribuiu o mesmo estatuto ao território vizinho de Macau, em 1999, após mais de 400 anos sob administração portuguesa.

      A implementação de uma nova Lei de Segurança Nacional chinesa em 2020 propiciou a detenção de dezenas de ativistas, políticos da oposição, jornalistas e académicos em Hong Kong. Patten atribui esta repressão ao “regime totalitarista e autocrático do Partido Comunista Chinês”, a qual considera violar os termos do acordo anglo-chinês de transferência do território em 1997, que deveria garantir “autonomia, liberdade e Estado de direito” durante 50 anos.

      Publicado no 25.º aniversário da passagem da soberania, o livro “The Hong Kong Diaries” [Diários de Hong Kong] foi escrito durante a pandemia covid-19, com base em apontamentos feitos durante o período de Patten como governador, entre 1992 e 1997. Antes, foi deputado do Partido Conservador, entre 1979 e 1992, tendo servido como ministro do Ambiente, e mais tarde foi designado comissário europeu para as Relações Externas, entre 1999 e 2004.Lusa

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau