Edição do dia

Quinta-feira, 30 de Junho, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
aguaceiros fracos
26.9 ° C
31 °
26.9 °
94 %
5.1kmh
40 %
Qui
28 °
Sex
29 °
Sáb
28 °
Dom
29 °
Seg
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Cultura Macau representado no primeiro festival internacional de comida de rua de Lisboa

      Macau representado no primeiro festival internacional de comida de rua de Lisboa

      A gastronomia macaense, bem como todo o universo lusófono, terá lugar reservado na primeira edição do Foodtopia – A Feast of Food & Stories. No início do mês de Julho, o Jardim Botânico Tropical de Lisboa será palco privilegiado “para a partilha de histórias em torno da comida, exaltando a importância dos fluxos migratórios para a riqueza gastronómica que hoje partilhamos num mundo globalizado”.

      Nos próximos dias 2 e 3 de Julho, o Jardim Botânico Tropical da Universidade de Lisboa, em Belém, recebe a primeira edição do Foodtopia – A Feast of Food & Stories, festival internacional de comida de rua organizado pela Amuse Bouche, que conta com a presença de Macau.

      Alguns dos melhores chefs internacionais e nacionais vãopartilhar não apenas os seus pratos, como também as narrativas que lhes dão vida. Outro dos destaques do cartaz vai para a forte presença de cozinheiros de algumas das comunidades mais representativas no país que, para além de Macau, são Moçambique, Guiné-Bissau, Angola, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Brasil, Timor-Leste ou Goa, na Índia, revelou a organização em nota de imprensa, acrescentandoque o angolano Helt Araújo, um dos mais reconhecidos chefs africanos da actualidade, e de Tony Fox, popularmente conhecido como o “Rei da Cachupa”, estarão presentes no Foodtopia.

      “Mais do que um festival de gastronomia, o Foodtopia assume-se como um momento privilegiado para a partilha de histórias em torno da comida, exaltando a importância dos fluxos migratórios para a riqueza gastronómica que hoje partilhamos num mundo globalizado. Seja por intermédio das narrativas contadas através dos pratos, de pontuais performances musicais e literárias ou de instalações artísticas no recinto, o propósito do festival é o de fazer da gastronomia o centro nevrálgico de uma celebração verdadeiramente global”, refere ainda a Amuse Bouche, na mesma nota.

      O chef brasileiro Alex Atala, responsável pelo D.O.M. em São Paulo, com duas estrelas Michelin, será o principal embaixador e levará até Lisboa uma iguaria confeccionada com formigas da Amazónia. Henrique Sá Pessoa (Alma, Lisboa), Rui Paula (Casa de Chá Boa Nova, Leça da Palmeira), Michele Marques (Mercearia Gadanha, Estremoz), Marlene Vieira(Marlene, Lisboa), António Galapito (Prado, Lisboa) ou Nikita Polido (Celmar, Meco) são alguns dos nomes já confirmados entre mais de 50 chefs que irão transpor a sua identidade para um delicioso e inesperado prato de comida de rua.

      Inserido na programação da Temporada Cruzada Portugal-França 2022, iniciativa que estabelece simbolicamente a ligação entre a presidência rotativa da União Europeia exercida por Portugal e França, o Foodtopia contará ainda diariamente com seis pontos de venda explorados por chefs franceses, como Vincent Farges, Krishna Léger ou Jean-Luc Damien-Verdeau.

      O restaurante Solar dos Presuntos, a cervejaria Ramiro, ambos de Lisboa, e o restaurante Mugasa, de Anadiaconhecido pelo leitão da Bairrada e liderado por Ricardo Nogueira, consideradas três das maiores instituições da gastronomia tradicional portuguesa, também se vão juntar à festa.

      No dia 2 de Julho, sábado, as portas do Jardim Botânico Tropical estão abertas entre as 12h e as 23h (hora em Lisboa), enquanto no dia seguinte, 3 de Julho, encerram às 22h30. A entrada no recinto custa 10 euros (gratuita para crianças até aos 12 anos) e os pratos têm o preço único de seis euros. Os bilhetes estarão à venda em breve, mas é já possível fazer pré-reserva através do site do Foodtopia ou através do email. O evento é coorganizado pela Câmara Municipal de Lisboa e tem o apoio do Turismo de Portugal.

      O PONTO FINAL contactou a organização do festival para saber que chef, restaurante ou instituição representa a RAEM, mas até ao fecho desta edição não obtivemos qualquer feedback sobre o assunto.

      PONTO FINAL