Edição do dia

Quinta-feira, 23 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
25.8 ° C
25.9 °
24.9 °
89 %
3.1kmh
40 %
Qui
26 °
Sex
26 °
Sáb
26 °
Dom
28 °
Seg
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeNomeação de representante fiscal deixa de ser obrigatória para quem não tem...

      Nomeação de representante fiscal deixa de ser obrigatória para quem não tem obrigações fiscais em Portugal

      A Autoridade Tributária Aduaneira (AT) da República Portuguesa publicou um ofício a informar que a nomeação de representante fiscal deixa de ser obrigatória para quem não tem obrigações fiscais em Portugal, mantendo-se a obrigação caso o contribuinte tenha carro ou casa no país, anunciou ontem, em nota de imprensa enviada às redacções, a secção local do Partido Socialista (PS).

      De acordo o secretário coordenador do partido português no território, Vítor Moutinho, “esta é uma das reivindicações que há longa data é feita pela secção local do PS, e também noutras comunidades e que nas últimas eleições legislativas foi devidamente abordada junto dos candidatos pelo círculo Fora da Europa e que agora é concretizada de modo oficial”. “Para o PS – Macau esta medida, agora implementada pelo Governo português, é de enorme relevância e justiça pois resolve muitas situações de cidadãos portugueses residentes em Macau, que apesar de terem deixado de ter uma ligação permanente com Portugal, eram, mesmo assim, legalmente obrigados a designar um representante fiscal”, afirmou ainda o secretário coordenador do PS no território.

      No entanto, ressalva o mesmo responsável, “a obrigação de nomeação do representante fiscal em Portugal continua obrigatória caso, após a atribuição de NIF como não residente e enquanto residir em país terceiro, o contribuinte esteja sujeito a uma relação jurídica tributária, nomeadamente, seja proprietário de um veículo e/ou de um imóvel registado/situado em território português, celebrar um contrato de trabalho em território português ou exercer uma actividade por conta própria em território português”.

      Na circular da AT pode ainda ler-se que no acto de inscrição e atribuição de NIF a cidadão nacional ou estrangeiro, como não residente, com morada em país terceiro, isto é, em país não pertencente à União Europeia (UE) ou ao Espaço Económico Europeu (EEE), como é o caso da Região Administrativa Especial de Macau, não é obrigatória a designação de representante fiscal”.

      O documento especifica também que sendo a representação fiscal um instrumento “finalisticamente dirigido ao suprimento da incapacidade de exercício de direitos e de cumprimento de obrigações tributárias pelo representado, a imposição legal da sua designação deve reconduzir-se ao contexto de uma relação tributária constituída ou a constituir com a AT, num momento póstumo.

      Recorde-se que a lei portuguesa é clara. A falta de designação de representante fiscal, quando obrigatória, bem como a designação que omita a aceitação expressa pelo representante, é punível com coima dentre 75 a 7.500 euros.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau