Edição do dia

Segunda-feira, 27 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
27.9 ° C
31.5 °
26.9 °
94 %
6.2kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
28 °
Qua
25 °
Qui
26 °
Sex
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeHá um total de 481 guias turísticos locais, refere a DSAL

      Há um total de 481 guias turísticos locais, refere a DSAL

      O número, em tempo de pandemia Covid-19, foi adiantado em resposta a uma interpelação escrita do deputado da FAOM Leong Sun Iok que pretende um reforço das garantias de emprego dos guias turísticos na RAEM. A DSAL relembra ainda que todos os programas da entidade estão à mercê de todos, principalmente “nos tempos difíceis da pandemia”.

       

      Em resposta a uma interpelação escrita do deputado da Assembleia Legislativa (AL) Leong Sun Iok, a Direcção dos Serviços para os Assuntos Laborais (DSAL) revelou alguns dados recentes relativos ao número de trabalhadores na área do turismo. Assim, e de acordo com a Direcção dos Serviços de Turismo (DST) que disponibilizou as estatísticas de Março deste ano, “havia 635 motoristas de autocarros, 481 guias turísticos, 170 agentes de viagens, 68 hotéis e pousadas e 537 autocarros de turismo” em Macau.

      O parlamentar da Federação das Associações dos Operários de Macau (FAOM) havia referido na interpelação enviada ao Governo que, nos últimos dois anos, a DST e a DSAL “têm adoptado muitas medidas e empregado muitos esforços para ajudar os operadores do sector do turismo, incluindo os guias turísticos, a ultrapassarem as dificuldades de sobrevivência, trabalho esse que merece o nosso reconhecimento”. Ainda assim, considera o legislador, “espera-se que o Governo continue a rever e a optimizar essas medidas, e a fazer balanços das experiências adquiridas, a fim de salvaguardar o nível e a qualidade dos postos de trabalho dos operadores do sector do turismo, incluindo os guias turísticos”.

      Wong Chi Hong, director dos Serviços para os Assuntos Laborais, respondeu que, para a organização de grandes eventos, “foi dada prioridade à aquisição de serviços de empresas locais e ao pedido de emprego de pessoal local, a fim de criar mais oportunidades de emprego”, e dá como exemplo o Festival das Luzes de Macau que, segundo o mesmo responsável, acabou por “estabilizar a situação do emprego na indústria do turismo através do recrutamento de guias turísticos locais para ajudar na gestão do local e jogos interactivos para o evento”.

      Ao mesmo tempo, acrescenta Wong Chi Hong, “através do apoio a entidades locais na organização de vários eventos conducentes ao turismo e à recuperação económica, tais como a Feira de Diversões para Desfrutar Macau ou o Festival de Gastronomia de Macau, foram criados mais de 1.000 postos de trabalho”.

      A DSAL recorda ainda ao deputado que questionou o Executivo sobre o plano de formação subsidiada, onde os interessados podem participar duas vezes em acções de formação, que “todos os programas da entidade permitem aos desempregados, licenciados de instituições terciárias, trabalhadores e freelancers melhorar as suas competências ou conhecimentos profissionais através de formação profissional, principalmente nos tempos difíceis da pandemia, aumentando assim a sua competitividade no emprego e qualidade de serviço, bem como receber alguma assistência financeira”.

       

      PONTO FINAL