Edição do dia

Quinta-feira, 29 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
14.9 ° C
14.9 °
14.9 °
77 %
8.8kmh
40 %
Qui
15 °
Sex
16 °
Sáb
14 °
Dom
20 °
Seg
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade Professores de escola primária acusados de fazerem circular imagens impróprias dos...

      Professores de escola primária acusados de fazerem circular imagens impróprias dos alunos

      Uma denúncia que se tornou viral nas redes sociais revelou que professores de uma escola primária e infantil fizeram circular um vídeo com imagens impróprias dos alunos no estabelecimento de ensino. A Escola Xin Hua é a instituição onde recaem as suspeitas e negou o “boato”, afirmando que o caso já foi transmitido às autoridades judiciais.

       

      Uma carta dirigida ao Ministério Público tornou-se viral nas redes sociais, revelando que os professores da secção primária e infantil de uma instituição de ensino não-superior local tinham feito circular um vídeo com imagens impróprias na escola. A Polícia Judicial (PJ) afirmou que iniciou a investigação após ter recebido a denúncia.

      Na denúncia alega-se que, no dia 18 de Novembro de 2020, os alunos do então 6.º ano de uma escola local não identificada reuniam-se em grupos num terraço do prédio do Edfício Mayfair Garden na Ilha Verde. Numa ocasião, um aluno usou o telemóvel para filmar as partes íntimas das outras colegas, e as caras e as partes íntimas de seis crianças eram visíveis no vídeo.

      O episódio foi posteriormente descoberto por um encarregado de educação, que apresentou uma queixa à escola. No entanto, segundo a relevação da carta, após obtido a vídeo referido, no dia 23 do mesmo mês, a direcção de turma convidou dezenas professores da mesma escola para assistir ao vídeo, sendo que a maioria dos docentes que viram a gravação não possuíam qualquer relação pedagógica com os alunos em causa.

      O denunciante, também professor da mesma escola, enalteceu que a ocorrência constitui danos secundários para os estudantes, apontando uma eventual violação da Convenção sobre os Direitos da Criança e das disposições legais referentes ao crime de distribuição de imagens de pornografia de menores. A Polícia Judiciária indicou que a investigação já foi iniciada, adiantando que mais pormenores sobre o caso vão ser oportunamente divulgados.

      Apesar de o nome da instituição de ensino não-superior em causa não ter sido completamente revelado na denúncia, a suspeição recai sobre a Escola Xin Hua. Numa declaração divulgada pela instituição de ensino datada de 25 de Março, a escola primária e infantil que se localiza no Edfício Mayfair Garden da Ilha Verde negou a acusação e indicou que os “rumores falsos” constituem ataques maliciosos contra a escola, realçando que a difamação e a calúnia prejudicam a honra objectiva da escola e o profissionalismo dos docentes, bem como a relação entre alunos e professores da escola. A Escola Xin Hua afirmou que vai acompanhar o incidente, referindo que passou a situação às autoridades competentes e o caso já entrou com um processo judicial.

      Em resposta ao episódio, a Direcção dos Serviços de Educação e de Desenvolvimento da Juventude (DSEDJ) reiterou num comunicado divulgado que a população não deve divulgar informações não confirmadas, salientando que quaisquer comportamentos que causem danos à crianças não serão tolerados. Caso ocorra alguma situação que seja considerada prejudicial ao funcionamento da escola ou mesmo aos alunos, deve ser denunciada à DSEDJ e às autoridades policiais por meio adequado.

       

       

      Kong Chi Meng lembra que DSEDJ tem “requisitos claros para a ética dos professores”

       

      Kong Chi Meng, director da Direcção dos Serviços de Educação e de Desenvolvimento da Juventude (DSEDJ), comentou o caso dizendo que existe um mecanismo de notificação permanente entre o organismo e as escolas. Além disso, o responsável indicou a DSEDJ tem requisitos claros para a ética dos professores e para as suas qualificações académicas. Por fim, Kong Chi Meng frisou que, se a investigação que está em curso revelar que a escola agiu mal, haverá mecanismos para lidar com a situação.

       

      Secretária salienta que protecção das crianças deve ser a prioridade

       

      Elsie Ao Ieong, secretária para os Assuntos Sociais e Cultura, não quis comentar este caso concreto, mas frisou que a protecção das crianças deve ser a prioridade, reiterando que as autoridades estão a investigar a situação referente à Escola Xin Hua. A governante frisou ainda que as autoridades vão dar apoio psicológico aos estudantes que necessitarem.

       

      PONTO FINAL