Edição do dia

Quinta-feira, 29 de Setembro, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
27.9 ° C
28.9 °
27.9 °
89 %
6.7kmh
20 %
Qui
28 °
Sex
28 °
Sáb
29 °
Dom
29 °
Seg
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China Pequim pede respeito pelos seus “interesses legítimos” e critica sanções à Rússia

      Pequim pede respeito pelos seus “interesses legítimos” e critica sanções à Rússia

      A China pediu ontem que os seus “interesses legítimos” sejam respeitados e reiterou que se opõe “firmemente” a qualquer tipo de “sanções unilaterais” contra a Rússia, país com o qual vai manter intercâmbios económicos.

       

      “Pequim e Moscovo, com base no respeito mútuo e na igualdade, mantêm a cooperação comercial normal”, disse o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiro chinês, Wang Wenbin, em conferência de imprensa. “Pedimos às partes relevantes que não prejudiquem os interesses legítimos da China, enquanto lidamos com a situação na Ucrânia, e as nossas relações com a Rússia”, defendeu o porta-voz.

      Questionado se a China vai continuar a comprar gás russo, após as sanções impostas pelo Ocidente, Wang limitou-se a comentar que o país asiático se opõe “firmemente” a “qualquer tipo de sanções unilaterais”, uma vez que “nunca são uma forma eficaz para resolver problemas”.

      O presidente da Comissão Reguladora de Bancos e Seguros (CBIRC) e o “número dois” do Banco Central chinês, Guo Shuqing, acrescentou ontem que a China não vai participar nas sanções e que vai continuar as trocas a “nível económico, financeiro e comercial”, com “todas as partes” envolvidas, noticiou a imprensa local. Wang acrescentou que a China vai continuar a desempenhar um papel “construtivo” ao pressionar por uma resolução do conflito na Ucrânia, após a invasão russa, um termo que as autoridades chinesas evitam usar.

      O porta-voz também disse que o ministério e a Embaixada da China na Ucrânia estão a tomar “várias medidas”, para ajudarem os seus cidadãos a saírem do território ucraniano. O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dymtro Kuleba, assegurou, na terça-feira, ao seu homólogo chinês, Wang Yi, que o seu país está disposto a continuar as negociações com a Rússia, e que espera que a “mediação da China” permita um cessar-fogo.

      A China tem mantido uma posição ambígua em relação ao conflito na Ucrânia. Defende o “respeito pela integridade territorial de todos os países”, mas diz compreender as “legítimas exigências de segurança” da Rússia. O país asiático absteve-se, na sexta-feira passada, na votação de uma resolução a condenar a Rússia nas Nações Unidas.

      Em 4 de Fevereiro, os Presidentes russo e chinês, Vladimir Putin e Xi Jinping, respectivamente, proclamaram, após reunirem em Pequim, a entrada das relações bilaterais numa “nova era”, e destacaram o bom estado das relações entre a Rússia e a China. Segundo Pequim, a sua relação com Moscovo é a de uma “parceria estratégica”, mas isso não inclui “nem aliança, nem confronto” nem tem como alvo “terceiros países”.

       

      Cidadão chinês baleado quando tentava sair do país

       

      A China divulgou ontem que um cidadão chinês foi baleado quando tentava sair da Ucrânia, informando ainda que a pessoa sofreu ferimentos sem gravidade. O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Wenbin, disse que o incidente ocorreu na terça-feira, quando a pessoa em questão tentou sair do país por conta própria. A Embaixada da China em Kiev entrou imediatamente em contacto com o cidadão para prestar assistência. Wang disse aos jornalistas que o cidadão chinês ficou ferido, mas que está fora de perigo. O representante disse que a embaixada chinesa na capital ucraniana está a acompanhar a situação e vai continuar a fornecer ajuda. Os detalhes sobre este incidente ainda não foram até ao momento totalmente clarificados.

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau