Edição do dia

Quarta-feira, 22 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
26.3 ° C
27.6 °
25.9 °
94 %
2.1kmh
40 %
Qua
26 °
Qui
27 °
Sex
27 °
Sáb
27 °
Dom
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeAvião fretado pelo Myanmar retirou mais de 130 trabalhadores não-residentes de...

      Avião fretado pelo Myanmar retirou mais de 130 trabalhadores não-residentes de Macau

      Mais de uma centena de trabalhadores não-residentes do Myanmar perderam o emprego em Macau no âmbito da pandemia da Covid-19, em virtude da imposição de restrições de viagem. Muitos têm estado retidos em Macau desde então e agora, ao abrigo de uma coordenação do Consulado-Geral do Myanmar com a colaboração de associações comunitárias, mais de 130 trabalhadores não-residentes birmaneses foram repatriados na passada terça-feira.

       

      A pandemia da Covid-19 tem afectado não apenas a circulação de residentes locais em Macau, mas também restringido a entrada e saída de trabalhadores não-residentes que vieram de países estrangeiros para trabalhar na RAEM. Uma coordenação do Consulado-Geral do Myanmar em Hong Kong, com a colaboração da Associação de Amizade de Macau-Myanmar e Câmara de Comércio Myanmar de Macau, a Myanmar National Airways fretou um voo directo para retirar os cidadãos birmaneses que estavam em Macau na terça-feira, pelas 19h. Mais de 130 trabalhadores não-residentes do Myanmar retidos foram repatriados, partindo do Aeroporto Internacional de Macau com destino a Yangon.

      O presidente da Associação de Amizade Macau-Myanmar, José Wong, e o presidente da Câmara de Comércio Macau-Myanmar, Tim Wong, salientaram que após a chegada dos birmaneses à capital do Myanmar, é necessário cumprir uma quarentena obrigatória de 14 dias. Porém, aqueles que já administraram a segunda dose da vacina contra a Covid-19 terão apenas que fazer isolamento por 10 dias.

      Os trabalhadores não-residentes birmaneses repatriados ocupavam posições de guardas de segurança, empregados domésticos e na restauração. Muitos deles, devido à crise de saúde pública, foram despedidos ou viram os seus contratos de trabalho expirar, sem direito a renovação, fazendo com que ficassem retidos em Macau. Após se terem inteirado da situação, as associações entraram em contacto com a entidade diplomática do Myanmar em Hong Kong e chegaram a um acordo para fretar um voo para repatriamento dos cidadãos birmaneses.

      Fundadas e enraizadas em Macau desde 2015, as associações dedicam-se a ajudar os cidadãos birmaneses que trabalham e permanecem em Macau, organizando e participando nas diversas actividades comunitárias, mantendo uma boa relação com outras associações ligadas aos trabalhadores não-residentes birmaneses locais. Os responsáveis disseram que esperam que a organização do voo fretado para os trabalhadores birmaneses possa ter ajudado a promover uma relação amigável entre Macau e Myanmar.

      Além disso, Tim Wong frisou que as duas associações também ajudaram estudantes birmaneses a candidatarem-se à admissão na Universidade de Macau, e proporcionaram apoio, aconselhamento e orientação escolar às suas chegadas. O líder comunitário, descendente chinês de segunda geração, afirmou que actualmente já há cinco estudantes birmaneses que conseguiram uma bolsa de estudo da Universidade de Macau, mostrando esperança de que no futuro mais estudantes birmaneses irão deslocar-se a Macau para prosseguir os estudos do ensino superior.

      Antes dos trabalhadores não-residentes birmaneses saírem do território, José Wong e Tim Wong foram ao Aeroporto de Macau para prestar assistência e oferecer água, máscaras e presentes aos empregados, visando promover o espírito de amizade entre a Macau e Mianmar.

      Segundo estatísticas actualizadas da Direcção dos Serviços para os Assuntos Laborais (DSAL), até ao final do ano passado havia 2.404 trabalhadores não-residentes do Myanmar em Macau, equivalente a 1,4% dos trabalhadores não-residentes em total no território.

       

      PONTO FINAL