Edição do dia

Segunda-feira, 16 de Maio, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
19.9 ° C
19.9 °
18.8 °
88 %
8.2kmh
40 %
Seg
21 °
Ter
24 °
Qua
25 °
Qui
25 °
Sex
26 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China China rejeita críticas do FMI à sua política de “zero casos”

      China rejeita críticas do FMI à sua política de “zero casos”

      A China considerou ontem o seu desempenho económico “notável”, após o Fundo Monetário Internacional (FMI) ter afirmado que a política de “zero casos” de covid-19 representam um risco para a recuperação da economia mundial. Um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China afirmou que o país continua a servir como um “motor da recuperação económica global”. A China “alcançou resultados notáveis, que promoveram a recuperação”, disse Zhao Lijian, em conferência de imprensa. O responsável considerou as medidas actuais necessárias para “proteger” a saúde dos seus cidadãos. “A China sempre adotou uma abordagem científica, abrangente e sólida para a prevenção e controlo” do vírus, afirmou.

      A China mantém uma política de “zero casos”, que envolve a imposição de restrições nas entradas no país, com quarentenas de até três semanas, e testes em massa e medidas de confinamento seletivas quando um surto é detetado.

      Estas medidas permitiram ao país asiático conter o vírus a partir da primavera de 2020 e retornar a uma vida quase normal. Mas agora pesam muito na atividade económica.

      Citada pela agência France Presse, a vice-diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Gita Gopinath, afirmou que a China deve “reajustar” a sua estratégia actual de combate à covid-19. Com a variante Ómicron, que é muito mais contagiosa, mas menos perigosa, Gopinath estimou que mais confinamentos na China podem ter um “impacto negativo na economia”. “Isto cria o risco não apenas de desacelerar o crescimento, mas também terá consequências muito significativas para as cadeias de fornecimento globais”.

      Em Agosto de 2021, a China fechou parcialmente um dos portos mais importantes do mundo, perto da cidade de Xangai, devido a um surto de covid-19, numa altura em que as interrupções no transporte logístico já pesavam fortemente nas cadeias de abastecimento.

      O Fundo Monetário Internacional reviu em baixa na terça-feira a previsão de crescimento para a China, este ano, para 4,8%, de 5,6% em outubro. A nível global, o FMI espera um aumento do Produto Interno Bruto (PIB) de 4,4%. Lusa

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau