Edição do dia

Quarta-feira, 28 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
15.9 ° C
18.9 °
15.9 °
77 %
2.1kmh
40 %
Qua
20 °
Qui
21 °
Sex
17 °
Sáb
15 °
Dom
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China Crise obriga China a liberalizar sector eléctrico para atingir descarbonização, diz especialista

      Crise obriga China a liberalizar sector eléctrico para atingir descarbonização, diz especialista

      A actual crise de energia que a China enfrenta vai obrigar o país a acelerar as reformas no sector eléctrico, apontou ontem um especialista à agência Lusa, frisando a urgência em adoptar medidas para reduzir as emissões.

      “O que me parece é que, com esta crise, a China vai ter que acelerar o processo de reforma do sector eléctrico e do sector energético”, diz Renato Roldão, especialista português em alterações climáticas a viver em Pequim desde 2008, e actual vice-presidente da consultora norte-americana Inner City Fund (ICF) International para a China e Europa. “Algumas pessoas dizem que esta é, de facto, uma das primeiras crises deste momento de transição para fontes de energia renovável”, frisa.

      No caso da China, a reforma passa por liberalizar os preços da electricidade para as indústrias, pondo fim aos limites impostos pelos reguladores, e acrescentar custos consoante as emissões de carbono da fonte utilizada na geração de energia, explica Roldão.

      “Nessas situações, a forma de despacho na electricidade é diferente, ou seja, o que chamamos em Portugal a ordem de mérito”, descreve. Neste cenário, os preços adicionais cobrados pela emissão de gases com efeito de estufa encarecem o carvão, relativamente ao gás natural, e este último em relação às renováveis. O carvão, que é a fonte de energia mais poluente, continua a fornecer cerca de 60% da produção de electricidade da China.

      Nas últimas semanas, o país asiático enfrentou cortes de energia, que interromperam a produção industrial em várias províncias importantes. Entre as razões apontadas para esses cortes estão a recuperação económica global, que pressiona as fábricas a aumentar a produção, os limites da produção de carvão impostos pelos objetivos para o clima e a existência de um preço regulado da electricidade.

       

      O Governo chinês anunciou recentemente uma desregulação parcial dos preços da electricidade vendida aos fabricantes, numa altura em que a subida de preço do carvão tornou a produção de energia economicamente inviável para as empresas.

      O país pediu ainda às minas de carvão que aumentem a produção diária, para um mínimo de 12 milhões de toneladas – um valor recorde. Várias províncias chinesas têm também prosseguido com a construção de novas unidades fabris termoeléctricas a carvão.

      O Presidente chinês, Xi Jinping, reafirmou, no entanto, no mês passado, na Assembleia das Nações Unidas, os compromissos chineses para o clima: neutralidade carbónica “antes de 2060” e atingir o pico das emissões “antes de 2030”. “É um efeito do tipo ‘yo-yo’”, nota Roldão, que acrescenta: “Há alturas em que dizem que são as províncias que autorizam novas construções. Outras vezes, é o Governo central que diz: ‘não, agora, somos nós que controlamos isto, porque está um bocado descontrolado, vamos controlar o número da nova capacidade instalada’”. No conjunto, no entanto, o especialista considera que, entre usinas que encerraram e outras abertas recentemente, a capacidade instalada não aumentou.

      Sobre a COP26, a conferência do clima que se realiza em Glasgow, na Escócia, entre os dias 31 de Outubro e 12 de Novembro, Renato Roldão diz não ter “grandes expectativas”. “Esta [conferência] devia gerar um aumento da ambição dos países. Era importante que se fizessem de facto anúncios de coisas concretas e não só anúncios políticos vazios”, observa. “No entanto, fala-se muito, muito, e vê-se pouca acção”, realça.

      Roldão adverte: “Estamos a ficar sem tempo”. “Continuamos sempre a dizer isto: temos pouco tempo, mas começámos agora, ainda pode dar, temos que fazer mais. No ano a seguir, continuamos a dizer a mesma coisa, mas o tempo está a passar e nós não estamos a alterar a forma de produzir e consumir nos vários níveis, de maneira a alinhar com os objectivos”, frisa.

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau