Edição do dia

Terça-feira, 25 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nublado
33.2 ° C
33.2 °
33.2 °
78 %
5.2kmh
99 %
Ter
33 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaSeul retoma exercícios militares na fronteira após suspender pacto com Pyongyang

      Seul retoma exercícios militares na fronteira após suspender pacto com Pyongyang

      A Coreia do Sul vai retomar ainda este mês os exercícios de artilharia nas zonas fronteiriças com o Norte, depois de suspender efectivamente um tratado bilateral assinado em 2018, foi ontem noticiado.

       

      As tropas da marinha destacadas para as ilhas do nordeste do país, junto à fronteira, planeiam realizar exercícios de artilharia em breve, pela primeira vez em seis anos, disseram fontes militares à agência de notícias sul-coreana Yonhap.

      Em Janeiro, o exército de Seul tinha realizado manobras com tiros reais perto dessas ilhas, Baengnyeong e Yeonpyeong, em resposta a exercícios de artilharia de Pyongyang na mesma zona.

      As forças armadas sul-coreanas deverão também retomar os exercícios de artilharia em três campos de tiro em áreas anteriormente designadas como zonas-tampão.

      O anúncio surge um dia depois do Presidente sul-coreano, Yoon Suk-yeol, ter ratificado uma proposta, apresentada pelo executivo, de suspensão total do pacto, em resposta aos quase mil balões lançados pelo Norte em direção ao país vizinho desde terça-feira.

      Os balões cheios de lixo, incluindo pontas de cigarro e fezes de animais, pousaram nas províncias do norte da Coreia do Sul, nomeadamente na capital Seul e na região adjacente de Gyeonggi.

      A Coreia do Sul disse que a iniciativa norte-coreana violou o acordo de armistício, que pôs fim às hostilidades entre as duas Coreias em 1953, apesar de “nenhuma substância perigosa ter sido encontrada” nos balões. Seul já tinha suspendido parcialmente o acordo, na sequência do lançamento de um satélite espião por Pyongyang. Em janeiro, a Coreia do Norte anunciou que ia abandonar o tratado.

      O pacto bilateral, assinado em 2018 para reduzir as tensões e evitar incidentes armados na fronteira, proibia exercícios de fogo real nas áreas fronteiriças e estabelecia zonas-tampão terrestres e marítimas, assim como zonas de exclusão aérea.

      A Guerra da Coreia (1950-1953) terminou com a assinatura de um armistício, que nunca foi substituído por um tratado de paz, deixando os dois lados tecnicamente em guerra e separados pela fronteira mais armada do mundo, incluindo a chamada zona desmilitarizada (DMZ).

       

      Força Aérea dos Estados Unidos participa em exercício na península coreana

       

      Pela primeira vez em sete anos a Força Aérea dos Estados Unidos sobrevoou a Península da Coreia com um bombardeiro B-1B de longo alcance no quadro de um exercício de bombardeamento com armas guiadas de precisão, informou a Coreia do Sul. O Ministério da Defesa da Coreia do Sul afirma que o bombardeiro B-1B efectuou exercícios aéreos conjuntos com outros caças norte-americanos e sul-coreanos.

      O B-1A foi inicialmente desenvolvido na década de 1970 como um substituto do B-52 e tem capacidade para transportar a maior carga convencional de armas guiadas e não guiadas do arsenal da Força Aérea dos Estados Unidos sendo considerado o aparelho mais importante do corpo de bombardeiros de longo alcance norte-americano.

      Segundo o Ministério da Defesa, o bombardeiro B-1B lançou bombas JDAM (Joint Direct Attack Munitions) durante o treino. As bombas JDAM têm capacidade para atingir e destruir alvos subterrâneos (“bunker-busters”) e são guiadas com precisão. Lusa

       

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau