Edição do dia

Terça-feira, 18 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva forte
30.7 ° C
33.7 °
29.9 °
89 %
4.1kmh
40 %
Ter
31 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioLusofoniaFretilin pede unidade para enfrentar desafios de desenvolvimento em Timor-Leste

      Fretilin pede unidade para enfrentar desafios de desenvolvimento em Timor-Leste

      A Frente Revolucionária de Timor-Leste Independente (Fretilin) pediu ontem unidade para enfrentar os desafios de desenvolvimento do país com política e programas que visem alcançar o bem-estar da população.

       

      Numa declaração política, no parlamento timorense, o líder da bancada parlamentar do partido, Aniceto Longuinhos Guterres Lopes, afirmou que, para se “seguir em frente”, é preciso considerar a importância dos valores defendidos pelos partidos fundadores da nação, que assinalou segunda-feira 22 anos de restauração da independência.

      O deputado da Fretilin, líder da oposição timorense, referia-se aos valores defendidos pela Associação Social Democrata Timor-Leste (ASDT)/Fretilin, nomeadamente “unidade, justiça social, participação cívica”.

      “Para continuar a seguir em frente, precisamos de honrar e considerar a importância daqueles valores, unirmo-nos para enfrentar os desafios e tornar Timor-Leste um lugar onde todos possam contribuir para o bem-estar coletivo”, salientou o deputado.

      Aniceto Guterres Lopes admitiu que o país fez progressos, mas muitos desafios, “complexos e multidimensionais” permanecem, e que os princípios defendidos pelos fundadores estão a ser afetados pela “prática da corrupção, falta de transparência e concentração do poder político e económico nas mãos de um grupo de pessoas”.

      Concretamente, o deputado referiu-se à taxa de pobreza, que “coloca o país como um dos mais pobres da região”, ao índice de desenvolvimento de capital humano, que também considerou muito baixo, aos graves problemas de nutrição que afectam a população, especialmente as crianças.

      “Nós temos uma economia consumista que importa mais do que produz. O nosso fundo [petrolífero] está a diminuir à medida que enfrentamos o desafio demográfico e a limitada capacidade económica”, disse o deputado.

      Segundo o deputado da Fretilin, para avançar Timor-Leste precisa de “defender o Estado de Direito democrático” através da cooperação entre órgãos de soberania para “repelir tentativas de interferência e absolutismo” e combater a corrupção.

      Aniceto Guterres Lopes pediu também uma reflexão aos políticos timorenses sobre o que foi bem e mal feito e o que precisa de ser feito, após 22 anos de restauração da independência.

      Por último, o deputado pediu a todos para “regressarem aos valores que levaram à vitória na luta pela independência”, principalmente à unidade, porque o país enfrenta muitos desafios. “Unidade significa que há um objetivo comum e uma estratégica política clara”, disse, lamentando que o petróleo timorense tenha servido apenas para enriquecer um grupo de pessoas enquanto a “maioria continua a depender da sorte”. Lusa

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau