Edição do dia

Sexta-feira, 24 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
25.8 ° C
25.9 °
25.4 °
94 %
4.1kmh
40 %
Qui
26 °
Sex
26 °
Sáb
26 °
Dom
28 °
Seg
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaChina acusa UE de proteccionismo após abertura de investigação sobre contratos públicos

      China acusa UE de proteccionismo após abertura de investigação sobre contratos públicos

      A China acusou ontem a União Europeia de proteccionismo, depois de Bruxelas ter anunciado uma investigação sobre os contratos públicos chineses para a compra de dispositivos médicos, por suspeita de práticas discriminatórias contra produtos europeus. “A UE apresenta-se sempre como o mercado mais aberto do mundo, mas tudo o que o mundo exterior pode ver é que está a caminhar gradualmente para o protecionismo”, afirmou o porta-voz da diplomacia chinesa, Wang Wenbin, em conferência de imprensa.

      Bruxelas declarou ontem que suspeita que a China favorece os fornecedores locais no mercado dos dispositivos médicos, nomeadamente através da sua política de “comprar na China”, de acordo com o aviso de abertura do inquérito publicado no boletim oficial da UE.

      Se estas alegadas medidas discriminatórias não cessarem, o procedimento permitirá à UE penalizar as empresas chinesas nos concursos europeus. “Exortamos a Europa a cumprir a sua promessa de abertura dos mercados e de concorrência leal, a respeitar as regras da Organização Mundial do Comércio e a deixar de utilizar o mais pequeno pretexto para suprimir e restringir” o acesso das empresas chinesas, insistiu Wang. “A UE tem utilizado frequentemente os seus instrumentos comerciais e as suas medidas de ajuda ao comércio, mas estas apenas enviam sinais protecionistas, visam as empresas chinesas e prejudicam a imagem da UE”, afirmou.

      Bruxelas acusou o país asiático de “favorecer a aquisição de dispositivos e serviços médicos nacionais”, “restringir a aquisição de bens importados” e impor, nos seus procedimentos de aquisição centralizada de dispositivos médicos, “condições que conduzem a ofertas [de preços] anormalmente baixas que não podem ser suportadas por empresas com fins lucrativos”, de acordo com o aviso publicado na quarta-feira.

      Estas “medidas e práticas restritivas de importação prejudicam significativa e sistematicamente” as empresas da União Europeia, segundo a Comissão Europeia. O inquérito terá agora de apurar os factos no prazo de nove meses.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau