Edição do dia

Quarta-feira, 17 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
27.9 ° C
28.9 °
27.9 °
83 %
4.6kmh
40 %
Qua
28 °
Qui
29 °
Sex
28 °
Sáb
28 °
Dom
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeTSI agrava pena a ex-administrativo da UM

      TSI agrava pena a ex-administrativo da UM

      O Tribunal de Segunda Instância (TSI) decidiu agravar a pena a um ex-administrativo da Universidade de Macau (UM) acusado de violação de segredo, abuso de poder e falsificação de documento. O Tribunal Judicial de Base (TJB) tinha condenado o homem a uma pena de dois anos de prisão, suspensa por três anos; e agora o TSI condenou-o a dois anos e seis meses de pena efectiva.

      Segundo uma nota divulgada ontem pelo gabinete do presidente do Tribunal de Última Instância, o homem tinha sido contratado em Fevereiro de 2011 pela UM para exercer as funções de assistente superior na Divisão de Obras do Departamento de Gestão e Desenvolvimento do Complexo Universitário e, em Janeiro de 2019, foi promovido para o cargo de administrativo da Divisão de Obras. No exercício das suas funções, o homem terá prestado auxílio a um empreiteiro na adjudicação de obras na UM.

      O TJB condenou-o, então, a uma pena suspensa de dois anos de prisão, tendo o MP recorrido ao TSI que decidiu, face ao exposto, julgar procedente o recurso e condenar o ex-administrativo da UM pela prática, em autoria material e na forma consumada, de três crimes de violação de segredo, na pena de um ano de prisão por cada crime; pela prática, em co-autoria e na forna consumada, de um crime de abuso de poder, na pena de um ano de prisão; pela prática, em co-autoria e na forma consumada, de um crime de falsificação de documento, na pena de um ano de prisão; e, em cúmulo jurídico, o arguido passou a ser condenado numa pena única de dois anos e seis meses de prisão efectiva.

      O ex-administrativo da UM “não só violou as atribuições e os deveres de funcionário público e causou prejuízos aos interesses públicos ou a terceiro, assim como afectou gravemente o prestígio da Administração e a expectativa do público na integridade de funcionário público”, diz o tribunal.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau