Edição do dia

Quarta-feira, 17 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
27.9 ° C
28.9 °
27.9 °
83 %
4.6kmh
40 %
Qua
28 °
Qui
29 °
Sex
28 °
Sáb
28 °
Dom
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeGoverno quer promover mercado de espectáculos de Macau a nível internacional

      Governo quer promover mercado de espectáculos de Macau a nível internacional

      As autoridades dizem que se estão a esforçar para fazer de Macau uma “cidade de espectáculos”. Para tal, uma das apostas é o reforço da promoção deste mercado a nível internacional, indicou o Instituto Cultural (IC) em resposta a uma interpelação escrita do deputado Leong Sun Iok.

       

      O Governo tem a intenção de transformar Macau numa “cidade de espectáculos”. Para que tal aconteça, as autoridades estão a implementar medidas como a construção de uma plataforma internacional de intercâmbio artístico e cultural, a realização de exposições e espectáculos que permitam o intercâmbio cultural entre a China e o estrangeiro e a valorização do conteúdo cultural do posicionamento de “uma base” que Macau tem. Além disso, o Instituto Cultural (IC) quer ainda “reforçar a atracção do mercado de espectáculos da RAEM a nível internacional e promover o desenvolvimento integrado da cultura e de outras áreas, a fim de melhorar a imagem da ‘Macau Cultural'”, lê-se numa resposta do IC a uma interpelação escrita do deputado Leong Sun Iok.

      Na interpelação, o deputado lembrou que, no relatório das Linhas de Acção Governativa (LAG) para 2024, o Governo referia a intenção de transformar Macau na referida “cidade de espectáculos” e, por isso, questionou as autoridades sobre o desenvolvimento desse desígnio. Leong Sun Iok queixou-se também das infra-estruturas que Macau tem para receber espectáculos de grande envergadura, como foi o concerto de Joe Hisaishi, que “atraiu muitas pessoas” e “deixou tristes os residentes que não puderam assistir, pois devido à pequena dimensão e à limitação de assentos no local do espectáculo, ou seja, no Centro Cultural de Macau, foi realizado um sorteio para os lugares”. O parlamentar admitiu que as instalações físicas de Macau são boas, mas pediu soluções para espectáculos com grande procura.

      O IC respondeu, dizendo que, sempre que coordena a organização de actividades artísticas e culturais, tem em consideração a natureza da actividade, os requisitos técnicos e as instalações auxiliares, “realizando as actividades em espaços adequados”.

      As autoridades dizem também que irão “envidar todos os esforços para potencializar a função cultural das instalações afectas ao IC, como, por exemplo, pretenderá potenciar a utilidade do Teatro-Estúdio do Centro Cultural de Macau para realizar vários tipos de espectáculos e actividades e melhorar a praça ao ar livre do Centro Cultural de Macau para criar para os pais e filhos um espaço amigável de actividades culturais e artísticas”.

      O IC diz ainda que, tendo em conta a estratégia de desenvolvimento ‘1+4’, “promoverá o aproveitamento e transformação dos recursos históricos e culturais de Macau”.

      Lembrando também que as operadoras de jogo estão encarregues de dinamizar e revitalizar as zonas históricas da cidade, o IC assinalou que estão planeadas actividades culturais para estes locais “com vista a criar mais espaços com uma atmosfera histórica distinta, a inovar a experiência dos residentes e turistas no que diz respeito às actividades culturais, artísticas e de lazer e a melhorar a imagem cultural de Macau”.

      Na interpelação, Leong Sun Iok também sugeria que, caso se venham a realizar outros espectáculos culturais internacionais de grande envergadura, o Governo devia considerar instalações de maior dimensão, além do Centro Cultural. O IC disse que as propostas apresentadas pelos organizadores dos espectáculos serão remetidas a outros serviços públicos competentes ou às seis operadoras de jogo para promover a sua organização e cooperação, “de modo a realçar, através da cooperação, as vantagens de Macau como destino turístico diversificado e atrair mais organizações internacionais a escolherem Macau para a realização de eventos de grande escala”.