Edição do dia

Segunda-feira, 26 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
13.9 ° C
15.9 °
13.9 °
72 %
5.7kmh
40 %
Dom
16 °
Seg
19 °
Ter
20 °
Qua
20 °
Qui
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China Chefe da polícia condenado à prisão após polémica agressão de mulheres na...

      Chefe da polícia condenado à prisão após polémica agressão de mulheres na China

      O ex-chefe da polícia de Tangshan, no norte da China, que ocupava o cargo em 2022, quando um grupo de mulheres foi atacado num restaurante, foi condenado ontem a 12 anos de prisão por ter protegido grupos criminosos.

       

      A agressão de três mulheres num restaurante, cujas imagens registadas pelas câmaras de vigilância se tornaram virais nas redes sociais, provocou indignação generalizada no país asiático.

      Ma Aijun, que dirigia então a esquadra da polícia de Lubei, do Gabinete de Segurança Pública de Tangshan, na província de Hebei, foi condenado a 12 anos de prisão e multado em 700.000 yuan, informou um tribunal de Tangshan. Ma foi condenado e punido por violar a lei para obter benefícios pessoais e subornos.

      Até à manhã de ontem na China, a notícia foi lida por mais de 130 milhões de vezes na rede social Weibo, com a maioria dos leitores a concluir que foi finalmente feita justiça. “Este é um seguimento razoável do incidente”, disse um internauta.

      Muitas pessoas criticaram a lentidão da reacção inicial da polícia local às agressões. “Não consigo imaginar que, se o vídeo não se tivesse tornado viral e não tivessem enfrentado a ira do público, durante quanto tempo a polícia teria protegido os membros deste grupo criminoso”, comentou outro utilizador no Weibo.

      As imagens mostram um dos homens a aproximar-se de uma mesa, onde três mulheres estão sentadas, e a colocar a mão nas costas de uma das mulheres. A mulher perguntou-lhe o que é que ele queria, antes de gritar que era um doente, e dar-lhe uma bofetada na mão.

      O homem bate então no rosto da mulher, desencadeando uma discussão. A vítima inicial é arrastada pelos cabelos. Um grupo de homens que jantava do lado de fora juntou-se ao ataque, agredindo as mulheres com cadeiras e garrafas de cerveja. Duas das mulheres foram hospitalizadas.

      O Ministério Público chinês acusou Chen Jizhi, que iniciou a agressão, de ser chefe de um grupo criminoso e acusou-o de 11 outros crimes que remontam a 2012, incluindo agressão, jogo ilegal e roubo. Em 2022, foi condenado a 24 anos de prisão.

      Mas as dúvidas que persistiam sobre a forma como Chen tinha saído em liberdade, depois dos seus crimes anteriores, levaram o departamento de Segurança Pública da província a ordenar à polícia de Langfang, a cerca de 150 quilómetros de Tangshan, que tomasse conta do caso.

      Muitas pessoas culparam a polícia local, acusando-a de uma reacção lenta, uma vez que só chegou ao local depois de os suspeitos terem fugido. A agência de inspecção e disciplina do Partido Comunista Chinês em Hebei investigou então 15 oficiais e funcionários em Tangshan.

      Em Agosto de 2022, as investigações iniciais revelaram que oito funcionários, incluindo Ma, dois directores e dois adjuntos de três esquadras da polícia abusaram do seu poder e aceitaram subornos. Lusa

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau