Edição do dia

Domingo, 25 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
13.7 ° C
15.9 °
13.2 °
72 %
4.6kmh
20 %
Dom
16 °
Seg
19 °
Ter
20 °
Qua
20 °
Qui
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China Ex-director executivo do gigante bancário chinês Everbright detido por corrupção

      Ex-director executivo do gigante bancário chinês Everbright detido por corrupção

      Um antigo chefe do gigante bancário estatal chinês Everbright foi formalmente colocado sob prisão por suspeitas de corrupção, informaram ontem as autoridades. Após a conclusão de uma investigação preliminar, a Procuradoria Popular Suprema anunciou, em comunicado, que ordenou a detenção de Tang Shuangning, antigo presidente do conselho de administração do grupo, “nos últimos dias”.

      A agência anticorrupção do Partido Comunista Chinês (PCC) já tinha anunciado a sua expulsão do partido no início de janeiro, acusando-o de uma longa lista de irregularidades, incluindo a importação de livros políticos não autorizados para a China.

      A agência acusou-o também de “abandonar as suas funções”, de se aproveitar do cargo para promover as suas obras de caligrafia, de utilizar fundos públicos para viajar e de aceitar vários presentes e subornos.

      Acusado de “se entregar a uma vida de prazer e conforto”, Tang Shuangning também “falhou na prevenção e resolução de riscos financeiros, violando assim a linha organizacional do PCC”, afirmou a mesma fonte. O sucessor de Tang como director do Grupo Everbright, Li Xiaopeng, foi detido no mês passado por acusações de corrupção.

      Desde que chegou ao poder em 2012, o Presidente chinês, Xi Jinping, lançou uma vasta campanha anticorrupção contra funcionários públicos e gestores de empresas estatais. Críticos dizem que a campanha visa também eliminar quem se opõe à linha política de Xi.

      O sector financeiro está cada vez mais na mira da agência nacional anticorrupção e dos tribunais. No mês passado, um antigo diretor do banco central chinês, Sun Guofeng, foi condenado a mais de 16 anos de prisão e acusado de divulgar informações em troca de subornos de 21 milhões de yuan.

      Em Novembro, Sun Deshun, antigo presidente de um dos principais bancos estatais chineses, o Citic Bank, foi condenado a prisão perpétua por ter recebido ilegalmente bens num valor estimado em 980 milhões de yuan, durante um período de 16 anos.

      Também em Novembro, o PCC anunciou a abertura de uma investigação por corrupção contra Zhang Hongli, um antigo alto funcionário de um dos maiores bancos do país, o ICBC (Banco Industrial e Comercial da China).

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau